04/03/11

uma notícia realmente importante (sem ironia)


Mudança na publicação de comentários online no Público.

Muitas vezes tenho criticado o Público. Não o costumo fazer com outros jornais: as tolices das antigas namoradas têm sempre um sabor diferente das mazelas das outras meninas. Assim sendo, julgo de elementar justiça, agora, sublinhar aqui que é de grande relevância a mudança que o Público vai fazer ao seu sistema de comentários. Não será fácil, como já notou o Provedor do Leitor, até por se abandonar um sistema de total irresponsabilidade - como o actual, onde se escreve no sítio em linha o que se diz na taberna, ou pior - para um sistema de moderação que não será isento de críticas. Mesmo assim, ou precisamente por isso, trata-se de um passo de gigante, não só para a comunicação social, mas para a cidadania. Claro, os que acham que temos o direito de dizer qualquer coisa de qualquer um de qualquer maneira, que julgam que o respeito é um conceito conservador, devem pensar nisto como uma restrição à liberdade de expressão. Deixá-los achar.
Desta vez, parabéns ao Público!

10 comentários:

Vega9000 disse...

Não concordo, e penso que terá como consequência o fim dos comentários no Público.
Falo como comentador habitual de certo blogue farmacêutico, e ocasional em outros: não gosto da moderação - na versão pré-aprovação - de comentários. Mata qualquer tipo de discussão que se queira ter, mata a espontaneidade, dá azo a comentários redundantes (porque vamos escrever aquilo que já 3 antes escreveram antes, mas não sabemos porque ainda não foram publicados).
Normalmente tenho por regra não comentar em blogues ou sites moderados (com algumas excepções, como é o seu caso) precisamente porque acho que se a pessoa convida outros para sua casa para conversar, é de muito mau tom estar constantemente a pedir que o outro meta o dedo no ar para poder falar. Acho preferível impor regras de comportamento, e depois expulsar quem não as cumpra.
Afinal, quem se dá ao trabalho de ler comentários antes de os aprovar também os pode ler depois de publicados, e eliminá-los caso seja necessário. É o que se faz em muitos jornais lá fora, nomeadamente os americanos, que são os que mais leio.

Agora passar da anarquia total para a ditadura dos costumes parece-me excessivo.

Porfirio Silva disse...

As suas questões são muitíssimo pertinentes.
O meu entusiasmo com a moderação do sítio do Público é uma reacção ao nojo que me metem certos (muitos) comentários, onde a ignorância arrogante é o pior pecado quando comparada com o insulto soez e a mentira descarada.
Estando nós aqui a falar num blogue com moderação de comentários, compreenderá que eu esteja desperto para algumas das dificuldades do sistema - mesmo que o meu tamanho seja infinitamente menos problemático que um jornal ou que outros blogues mais lidos.
Não obstante, por muitos que sejam os escolhos que aí vêm, acho que o Público tem o mérito de quebrar com a reinante acomodação ao problema. Estão a tentar. Vão falhar e ter de aperfeiçoar? Óptimo. O bom é que vão tentar. E talvez isso leve o debate sobre "o que fazer" para vias mais proveitosas.

Albino disse...

Num blogue que não tenha muito movimento é normal que se utilize um qualquer sistema de moderação. No entanto num site como o Público tenho de concordar a 100% com a opinião do Vega9000.

Para sites com muito movimento a moderação pode e deve ser feita pelos próprios utilizadores. Há sistemas de atribuição de pontos que permitem "enterrar" os trolls muito rapidamente.

Ver por exemplo o site reddit.com onde é muito raro sermos confrontados com comentários psicopatas como os que enchem a caixa de comentários do Público.

Além disto há protecções muito inteligentes (seguramente mais inteligentes que os trolls da nossa praça) que eliminam a possibilidade de grupos organizados dominarem um site que use o tipo de moderação que sugiro.

Na minha opinião o Público vai perder com esta censura prévia.

Porfirio Silva disse...

Bom, acho que tenho de aproveitar as sugestões dos comentadores para ver se torno a moderação do meu blogue um pouco mais inteligente!
;-)

Anónimo disse...

Ó Porfírio, tu és um apoiante descarado do Sócrates, e por isso apoias tudo o que é controle da Informação. Vai morrer longe, pá!

Porfirio Silva disse...

Um dos problemas da moderação, no caso de um blogue como o meu, é ter de perder tempo com comentadores vazios e mal educados que gostam de meter a colherada no meio de conversas em que pessoas normais tentam fazer-se compreender. Mas isso espicaça muito a minha curiosidade antropológica: por que carga de água haverá seres humanos que gastam o seu tempo a dizer tolices sem algo que razoavelmente se possa considerar uma recompensa? Não acredito que exista alguém no mundo que possa sentir-se recompensado apenas por me moer a moleirinha.

Vega9000 disse...

A moderação no seu blogue já é inteligente, caro Porfírio. Tem é que considerar fazê-la "pós" em vez de "pré". Na minha modesta opinião, só tinha a ganhar.
(Mas lá está, não faço ideia se recebe assim tantos comentários ofensivos que justifiquem a moderação prévia).
De qualquer maneira, acho que a moderação pelos utilizadores como sugere o Albino é um sistema complexo que só se justifica quando os comentários são tantos que se torna humanamente impossível fazer a moderação pós-comentário (e muito menos pré), como é o caso do Reddit. No caso do Público, também não me parece que resultasse, até porque não temos essa tradição de civismo e de auto-policiamento.

Porfirio Silva disse...

Obrigado, Vega90.000 (o zero a mais é parte do agradecimento).
Os insultos mais agressivos e as ameaças não são muitos e estão relacionados com "vagas" de agressividade no espaço público.
O problema com a moderação "depois" é que eu não estou sempre a olhar para o meu sistema de alerta. Se eu passar 5 horas desligado, posso ter uma aberração publicada durante 5 horas. Não acho isso bem.
Se calhar há, como já foi dito acima, alternativas que podia estudar. Mas não me dou assim tanta importância que julgue necessário ter uma máquina assim tão oleada. Se não isto torna-se um desporto caro...
Se o civismo fosse o verdadeiro moderador, era mais fácil. Por exemplo, há pessoas que chegam aqui pela primeira vez, nunca leram nada do que eu escrevi antes, e criticam um post isolado sem qualquer interpretação. Muitas vezes supondo tudo o contrário do que eu escrevi antes sobre a mesma questão. Nos blogues colectivos há comentadores que criticam como se todos os autores fossem um só, por exemplo vendo contradições onde apenas há opiniões de pessoas diferentes. Estas atitudes revelam uma atitude incorrecta face à troca de opiniões. Isso é que é difícil de moderar.
Mas, sim, concordo, que a auto-regulação de cada um, a existir, seria o melhor. Sempre.

Anónimo disse...

vc está errado, veja o El Pais q foi um jornal q prestou em alguma época hoje não dá nem 10% dos assuntos para comentários dos leitores, define o q podem ou não comentar sem consultar-los, outros como o Correio da Manhã limitaram a menos q o Twitter o tamanho do comentário q e em determinados assunto q têm interesses (exemplo, presidenciais do Brasil em q exibia simpatia pela oposição e produzia matérias pouco isentas contra o governo e sua candidata) não deixava nem q entrassem comentarios neutros quanto mais os de opinião contrária, e óbvio não estou falar de baixarias e ofensas mas simplesmente de opiniões diferentes! Embora a mudança fosse prometida para dia 5, hoje dia 4 já estãos 'segurando' os comentário e por coincidência ou talvez sinal do q vem por aí, só estão entrando os comentarios dos q apoiam a medida do Público. Sem falr q vão utlizar 20 pessoas para a tal moderação, 20 pessoas q eu suponho sejam minimamente preparados q poderiam ser utilizadas para melhorar a qualidade do jornal on line q anda sofrível, conteúdos estagnados q ficam dias sem ser renovados, assuntos q se repetem em duas editorias diferentes para tapar buracos, há dias q não há nada para se ler, 20 pessoas poderiam usar seu tempo para vasculhar a internet e produzir conteúdo bem melhor q o atual com o consequente aumento no número de leitores q nãoq uerem ter q vasculhar a rede para se informar! Mas se ficar ruim basta q todos sumam pq aí terão q mudar, foi assim com o El Pais quando cismou de cobrar e os leitores não aceitaram! A verdade é q os jornais não sabem lidar com as opiniões dos leitores e partem para o mais fácil q é a censura, receita aliás bem antiga e muito admirada por ditaduras de todo o mundo e de todo o espectro político!

Porfirio Silva disse...

Se calhar não percebi tudo, porque tenho dificuldade em perceber comentários que literariamente parecem uma versão apressada da saudosa Mafaldinha... mas, mesmo assim, não percebi a que parte do que eu escrevi é que se aplica o seu "vc está errado".