09/03/11

ter as intuições erradas


Kátia Outeiro, do movimento Geração à Rasca de Viseu, explicou ontem ao PÚBLICO que a decisão de interromperem a sessão partidária de José Sócrates com os militantes do PS, na segunda-feira à noite, foi tomada em cima da hora, de "forma intuitiva, e não foi pré-programada".

Pronto, iam para um ensaio da banda de megafones e iam com o pano das palavras de ordem para engomar e passaram por ali e enganaram-se na porta. Com o engano, assaltaram uma pacífica sessão de debate de um partido. E ainda se queixam de que os malandros do PS não gostaram de ser assaltados.
Mas, pronto, foi "de forma intuitiva" que eles fizeram aquilo. A intuição não lhes deu para atacar nenhum outro partido. A intuição de certas pessoas cai sempre para o mesmo lado. É ter intuições erradas.

2 comentários:

António P. disse...

Boa tarde Porfírio,
Mais uma vez certeiro, nomeadamente quanto à intuição dar sempre para o mesmo lado. Já agora duas reflexões :
1ª . E os jornalsitas não são capazes de pergunatr nada a estes jovens, como por ex. : " E então os cartazes e megafones apareceram expontaneamente ?"
2ª - Não sou dado a comparar logo tudo com fascismos , nazismos e respectivos anti, mas o discurso da jovem Kátia anda perto de um discurso fascista.
Abraço

Porfirio Silva disse...

António,
Há aí um ponto interessante, que me exige uma reflexão aqui.
De facto, convém deixar claro que, provavelmente, estes "jovens" não querem nada parecido com o fascismo. Mussolini fazia isto sabendo por que o fazia, quero crer que não seja o caso destes. O problema é que, usando estes métodos, criam o clima de acolhimento favorável ao boicote de actividades políticas que não agradem a certos activistas. Isso pode abrir as portas, inclusivamente, à violência contra adversários políticos. Pode ser que, de futuro, eles sejam as próprias vítimas de outros engraçadinhos. Terrível seria que os outros engraçadinhos lhes fizessem isso e depois dissessem que tinha sido uma intuição que lhes tinha dado.
Outro (abraço).