12/11/10

doenças nada infantis


O ódio é uma doença grave. Destrói o sistema nervoso dos seus veículos individuais, destrói a comunidade se se espalhar muito. Há quem ache que é preferível esconder os focos dessa doença. Pensa-se evitar desse modo a contaminação. Especialmente quando o ódio é político. Acho, pelo contrário, que devemos mostrar o ódio em exposição. Para que se veja o que ele é. Por isso peço a vossa atenção para este exemplo, mais um de uma fonte muito produtiva, de ódio sem pingo de argumento, de ódio em estado quimicamente puro. Para quem não saiba: o fautor neste caso é um membro da elite científica, um Doutor; e, além disso, um artista (um bom fotógrafo). Para que não pensem que o ódio que conta é o ódio dos famélicos. Não. O ódio vale por si. É uma partícula fundamental.

Sem comentários: