27/04/10

os factos não se vestem, contrariamente aos fatos


«Ana Catarina Mendes, do PS, opôs-se àquilo que designou como “juízos de carácter” e defendeu que o objecto desta comissão é outro: “Eu quero objectivamente saber se os depoentes têm alguma coisa factual a dizer” sobre o envolvimento do Governo no negócio PT/TVI.» (Público)

Oh, Ana Catarina, factual? A Comissão de Inquérito, se fosse para procurar o factual, nunca tinha sequer começado. É que está mais que visto que, por muitas comissões que se montem umas atrás das outras, é impossível transformar nada em coisa alguma. E aquela gente, que odeia o suspeito do costume, pensa que isso (o ódio) basta para o condenar. Se não pensassem isso, tinham vergonha de ir ao Parlamento fazer de conta que prestam depoimento, gastar o dinheiro da nação. Mas não têm. Vergonha.

Sem comentários: