27/06/11

experimentum crucis


Uma das "técnicas" do anterior ciclo político (técnica velha, mas levada ao paroxismo pela política do ódio) consistiu em, para não ter que ligar aos argumentos dos adversários, tratar de os desqualificar. Era uma espécie de "tratamento de substituição". No campo dos apoiantes do anterior governo na blogosfera, talvez o mais causticado por esse tipo de ataque tenha sido o Câmara Corporativa. Criou-se uma doutrina, do género informe, segunda a qual "os Abrantes" (um rótulo de ódio, cuja invocação tinha a mesma função dos sininhos que os leprosos eram obrigados a usar para prevenir as gentes de que deviam afastar-se) seriam, disfarçadamente, "assessores pagos pelo erário público para fazer propaganda governamental".
Não estou particularmente interessado na atitude de prolongar as novelas de um ciclo para outro, mas este caso interessa-me, por ser razoavelmente específico como nódulo da guerrilha política recente. Assim sendo, fico à espera para ver que explicação arranjam, agora, aqueles doutrinários, para o facto de "os Abrantes" continuarem a existir. Está em curso, portanto, uma experiência crucial da blogosfera política à portuguesa. Ou o Corporações desaparece rápida e cruelmente, ou aquele expediente devia começar a envergonhar os que a ele recorreram: qualquer dia começo a fazer a lista...

10 comentários:

one hundred trillion dollars disse...

porquê?

o partei tem falta de fundos?

dos 600 mil em brindes de campanha

ainda devem restar uns trocos

os moços nã devem ser caros

Porfirio Silva disse...

Pois é, one hundred trillion dollars, saber ler era capaz de dar jeito, para evitar esses tiros ao lado. Qual é a parte do post que é difícil de perceber, hein?
Bai da uéi, one hundred trillion dollars, se calhar também há por aí uma criticazinha ao anonimato do Miguel Abrantes, não?

Anónimo disse...

As passwords eram partilhadas e o pessoal está à procura de emprego, agora que foram para a rua. Na volta até tu estás a ajudar...

O Senhor dos Queijos disse...

Bai da uéi, one hundred trillion dollars, se calhar também há por aí uma criticazinha ao anonimato

obviamente

a deferença é que uma nota do zimbabué não é um animal político

é simplesmente um vegetal

há diferenças

eu não creio em benfeitores anónimos
mas que los hay, hay

até o Artur Portela (filho)
ganhava alguma coisa com as suas catalinárias contra
os Balsemões que esperavam nos corredores do poder marcelista

nem que fosse prestígio político

o esforço exigido para se dizer 5 parvoíces ao dia já é imenso

agora organizar tudo isso num blogue que debita constantemente
in for mação y contra in for maçon

não sei se percebeu o inglês technico

e saber ler é difícil

e além disso sou disléxico

não se pode esperar muito dum pedaço de papel hyper-inflacionado

O Senhor dos Queijos disse...

Anonimus din har blitt lagret

ou se calhar anónimos do mundo uni-vos

qu'aquilo dá um trabalhão dá

e correr por gosto

só maniacos-depressivos como yo

na realidade sou só maníaco

depressões são raras

e ânsias do escudo ainda são mais raras

Porfirio Silva disse...

A resposta para a plateia é:
"sim, estejam descansados, comentadores anónimos que estais ainda por perceber que o tempo mudou: a notícia é verdadeira, vamos abrir nesta caixa de comentários um espaço à la Tod Browning, 1932, na qual podereis brilhar, já que em Freaks os verdadeiramente disformes não eram os que tinham corpos 'diferentes', mas os que tinham mentes distorcidas".

Obrigado por preencherem o meu zoo privado.

Vega9000 disse...

Machina Delirium para alguns, Porfírio.
(Não tenho comentado, mas sempre atento)

Quanto à vergonha, espero que esteja bem sentado, é capaz de demorar.

um abraço

Porfirio Silva disse...

A vergonha às vezes ataca mesmo os mais empedernidos... ;-)

Abrantes #27 disse...

Ora, a malta meteu a massa que o socras e os xuxas nos pagavam num fundo de investimento indexado às cambalhotas e disparates dos bloggers passistas e similares, isto agora ainda rendem mais do que dantes!
Basta uma viagem de avião em turistica por semana que temos o rendimento garantido.

one hundred trillion dollars disse...

o tempo mudou certamente

no corno de áfrica a maior seca desde 1950 instala-se

aqui a maior seca mental desde que a geração Morangos com açúcar entrou em morte cerebral há coisa de 900 anos

as élites nacionais sempre foram contra os trabalhadores que faziam barulho

são loucos, nós queremos ajudá-los e eles não percebem
Herdades de Duques de Lafões

Herdades que são portucale

estás perdoada
ó Máquina Partidária
o livre arbítrio nunca nasce na fé