07/02/11

cisne negro


Black Swan, de Darren Aronofsky, com Natalie Portman, Mila Kunis e Vincent Cassel. Uma história banal cheia de truques esquisitos a tentar convencer-nos que mais tarde chegará um vislumbre de grandeza - mas sem nunca lá chegar. Podia ser sobre dança (ballet), mas não é: o filme não consegue transmitir coisa alguma acerca da arte de dançar vivências diferentes (cisne branco, cisne negro). Finalmente, não passa da história de uma menina pouco empenhada em fazer certos "trabalhos de casa" receitados pelo professor, acabando por deixar a colegas oportunistas grande parte das manobras que lhe estavam prescritas como exercício "espiritual"...


(Adenda: A ideia de que este filme se aproxima do modo de Cronenberg tratar a questão o corpo... esqueçam: nem os seus filmes mais artesanais eram tão superficiais nessa matéria. Cronenberg é um filósofo-realizador.)

1 comentário:

ams disse...

Obrigada. O que escreve aproxima-se muito do que penso(e senti)com Black Swan. Além do mais sou vagamente 'mimética' e acabei por sair do filme arrasada. No limite, salva-se a coda e a Portman (ainda assim, em dúvida).