22/04/14

40 anos depois.


40 anos depois do primeiro "25 de Abril" a direita política e partidária aprendeu tudo. Ou melhor, reaprendeu. Basicamente, "tudo" é apenas isto: impor uma noção de "decência" que lhe permite apontar como indecente tudo o que não sirva os seus interesses. E aceitar como decente tudo o que lhe convenha ou faça bom embrulho ao que lhe interessa. Sinal disso é que ninguém, nos estados-maiores dos partidos da direita, se importa muito com as vozes, da mesma direita, que renegam o que PSD e CDS fazem no poder. Por quê? Porque só lhes interessa quem possa dar-lhes ou tirar-lhes poder, não se incomodando muito com "valores". E de que nos queixamos? Quem não tem um grão de culpa neste "pragmatismo" reinante?
Já a esquerda, 40 anos depois, não aprendeu nada. Agitam-se por aí, mais ou menos fora dos holofotes, as pequenas grandes guerras de sempre, as heranças miúdas do PREC. Em vez de se sonharem as revoluções de amanhã, continuamos zangados com as zangas de ontem. Ou, outro olho da mesma doença, só pensamos no dia de hoje.
Eu gostava mesmo era de uma comemoração do 25 de Abril em que os democratas não precisassem de falar do governo do momento. Sim, porque dizer o óbvio sobre o governo de hoje é apenas uma forma de esconder que estamos atarantados quanto ao dia de amanhã.

1 comentário:

Jaime Santos disse...

Aquilo a que nós chamamos 'Direita' é, na maioria dos casos, só uma máquina de conservação do poder, ou da sua reconquista, nas raras vezes em que o perdem para a Esquerda. Porque será que a discussão de escândalos do Governo em funções esmorece no dia em que a Direita conquista o Poder? Porque será que a Direita acusa sempre os polícias e nunca acusa os ladrões? Dizer que isto se deve só à desunião das Esquerdas é ignorar que para a Esquerda a ideologia ainda conta, a ideologia da Direita é meramente a da (re)conquista/conservação do Poder. Quanto àqueles que à Direita têm princípios, é vê-los muito zangados por serem sempre enganados quando a Direita pura e dura lhes diz: liberalismo, mercado livre, meritocracia? Nah, isso é bom para os outros, nós gostamos é de monopólios, cunhas e socialismo para os ricos... Mais uma vez, enquanto em Portugal não existir uma imprensa independente dos interesses dos Ricos, estes podem dormir descansados...