27/03/12

dia mundial do teatro.


"Amor pela passiva" e "amor pela activa".
Filodemo, de Luís de Camões.
Auto. Comédia. Tragicomédia.
Do contraste entre amor platónico ("amor pela passiva") e amor fisicamente expresso ("amor pela activa").

***

FILODEMO - (...) é necessário que primeiro alimpeis como marmelo e que ajunteis pera um canto da estrebaria todos esses maus pensamentos vossos, porque, segundo estais, mal avinhado, danareis tudo o que agora em vós deitar. O caso é este. Já vos dei conta da pouca que tenho com toda a outra que não é servir a senhora Dionisa; e ainda que a desigualdade dos estados o não consinta, eu não pretendo daqui outra senão não pretender cousa nenhua. O que lhe quero, consigo mesma se paga. É este meu amor como ave fénix, que de si só nasce e não de nenhum outro interesse.(...)

DORIANO - Eu vo-lo direi: porque todos vós outros, que amais pola passiva, dizeis que o amador fino como melão que não há de querer mais de sua dama que amá-la viva. E virá logo o vosso Petro Bembo, Petrarca e outros trinta Platões (mais safados destes hipócritas que uas luvas dum pajem d'arte) mostrando-nos rezões verisemelhantes pera homem não querer mais de sua dama que ver, até falar. E ainda houve outros inquisidores d'amor, mais especulativos, que defenderam a vista por não emprenhar o desejo. E eu faço voto a Deos, se a qualquer destes lh'entregarem sua dama entre dous pratos, tosada e aparelhada, que não fique pedra sobre pedra nem lugar sagrado em que se possa dizer missa daí a mil anos, nem lugar tão preveligiado em que a fúria da justiça não buscasse até os caminhos escaninos. De mim vos sei dizer que os meus amores hão de ser activos. E eu hei de ser a pessoa agente e ela a paciente. E esta é a verdade. Mas tornando a nosso prepósito... Vá vossa mercê com sua história avante.


2 comentários:

coraçãodemaçã disse...

Difícil grafia a desse amor activamente tonitroante que me quer apassivar ou apassivada, deitada ou de pé, mas sempre na passiva...
Acho que, apesar dos pesares, algo mudou nessas cavalarias voluntariosas:-)

Dri

Porfirio Silva disse...

E pois não é o teatro coisa para nos mostrar passados e futuros vários, cheios de possíveis e de impossíveis?

(Mudou, Dri, algo mudou, sim. Pudera!)