13/05/11

um programa eleitoral on demand


Esta manhã, antes de sair de casa, ouvi na rádio uma história dos novos tempos.

Pedro Passos Coelho terá ido, ontem, ao lançamento de um livro, do qual é prefaciador. Um livro onde se falará de educação. Na sessão, o autor do livro queixou-se do programa eleitoral do PSD para essa área da governação. Queixava-se o autor de o programa do PSD ser demasiado parecido com o do PS. (Um notável critério político para traçar políticas, convenha-se.) Passos Coelho, em ode à interactividade instantânea que alguns pensam ser a marca do tempo que corre, prometeu, logo ali, repensar o dito programa eleitoral, para ir ao encontro das preocupações daquele autor. Penso que não terá chegado ao ponto de pedir a SC, o autor, que fizesse logo ali a revisão – mas também não sei quem, nem como, se disporá a rever o programa para o governo de Portugal em função de queixas que se vão ouvindo por aí em sessões avulsas.

O PSD inaugura assim um novo tipo de programa de governo: o programa “faça você mesmo”. Que deve ser, pelos critérios dos novos tempos, uma inovação à altura de um… Estadista (com maiúscula e tudo.)

("Isto" foi escrito hoje de manhã, aí pelas 9 horas, mas esteve congelado, porque o Blogger esteve uma eternidade de pantanas. Ou será de santanas?)

Sem comentários: