18/06/10

questões básicas de ontologia


A "Comissão de Inquérito TVI", mais conhecida por "Comissão Vamos Lá Espremer Umas Dúzias de Gajos a Ver se o Semedo Consegue Escrever a Novela Dele Caso Contrário é uma Vergonha e o Sócrates Fica-se a Rir", encerrou os seus trabalhos.
O resultado, o relatório do tal Semedo, era tão claro, tão bem fundamentado, tão factual, que os dirigentes do PSD tiveram de andar a conversar muito lá por casa para decidir se votavam a favor ou se abstinham. Está bem de ver com que tremenda convicção acabaram por votar a favor. Foi mesmo só para não terem a trabalheira de inventar uma desculpa esfarrapada para salvar a Dra. Manuela Ferreira Leite de andar o resto dos dias com uma mantilha preta pela cabeça, já que foi ela que deu a cara pela inventona.
O tipo de verdade que o PSD andava à procura fica bem explicado por uma declaração do deputado Pedro Duarte, que parece que era para funcionar como coordenador dos deputados social-democratas na Comissão, não fora estar lá o Pacheco Pereira que tem sempre uma verdade que só ele conhece mas é única e distinta de tudo o mais ao cimo da Terra em qualquer momento passado presente ou futuro. Mas, para parar com esta tentativa frustrada de imitar o estilo Guidinha do Diário de Lisboa, vamos lá às declarações de Pedro Duarte pelo PSD. Diz ele que ficam com «alguma frustração, por não se poder ter ido tão longe» quanto o partido desejava. E diz mais: diz que os trabalhos terminam com fortíssimas suspeitas. Mas, suspeitas não era o que tinham no princípio?
Pois, é muito difícil provar a existência do que não existe. Isso, pelo menos isso, o filósofo da Marmeleira devia ter explicado aos companheiros. Para agora não se sentirem "agarrados" por um relatório que é só fumo. Se não fosse, estariam a exibir os factos na praça pública. Não ouvimos factos nenhuns, continuamos apenas a ouvir as interpretações dos deputados-polícias do costume. O que quer dizer que não têm nada. Como diz o deputado Pedro Duarte, do PSD, suspeitas. Suspeitas. Apenas. Sempre e apenas.


Sem comentários: