22/02/13

relvismo ao cubo.


Constato, sem grande surpresa, que alguns dos que dizem muito mal de Relvas fazem tudo o que podem para mostrar que têm tanta falta de cultura democrática como o próprio Relvas. Basta ver o furor "revolucionário" com que diabolizam toda a gente que discorde do tipo de boicotes que têm estado a ocorrer.

9 comentários:

Joaquim O. disse...

Concordo. Mas, no entanto, há muito boa gente que, com ponderação e sem esse tal furor, enquadra positivamente essa reacção à permanente provocação à democracia que é Relvas. Não é descabido, se não considerarmos a democracia como um plesbicito quadrianual. Enfim, são tempos tristemente confusos...

Porfirio Silva disse...

Joaquim, não estou a criticar diferentes opiniões sobre o assunto. Estou a criticar reacções radicais, extremas, muito de nariz empinado e cheias de certezas, zurzindo em quem quer que duvide da bondade de certas acções.

Joaquim O. disse...

Certo. Porfírio, por falar em nariz (empinado ou não), participei expontanea e entusiasticamente no 15 de setembro. Mas cheira-me que vou boicotar o 2 de março. Por causa dos tais narizes empinados que por aí andam. Seria interessante uma posta sua que me ajudasse a cheirar melhor este dilema.

Porfirio Silva disse...

Não tem dilema. O que tem é que nem sempre os inimigos dos nossos inimigos são nossos amigos. (inimigos é apenas modo de falar)

Anónimo disse...

Deixe de frescura.
Siga a rusga...

A.M.

Porfirio Silva disse...

A.M., está com frio? Uma sugestão: experimente fechar a janela.

António Pedro Pereira disse...

Caro Porfírio:
É interessante ver como certas pessoas, sensatas, cultas, vividas, que não vão em fogachos, não se deixam levar pela espuma dos dias nem pelos «soud bites» do momento, verdadeiros amantes do viver democrático (que nem sempre coincide com o viver em democracia) acabam por manifestar posições coincidentes em momentos ou espaços diferentes.
Transcrevo o que o Embaixador Seixas da Costa deixou no seu interessante blog: Duas ou Três Coisas.
«Post impopular.
Acho triste o contentamento que anda aí em certas hostes com o achincalhamento público e o boicote da palavra de um membro do governo. Em democracia, o direito à manifestação e até à indignação tem sempre de ser compatível com o respeito devido às figuras institucionais e, em particular, o respetivo direito à palavra. Por muito que alguns não gostem de certas autoridades da República, a verdade é que se trata de personalidades que assumiram os cargos que hoje ocupam com plena legitimidade. As formas públicas de expressar o legítimo descontentamento têm assim de ser compatíveis com o quadro de deveres que a democracia impõe.
Sei que há quem não goste de ouvir isto embora desconfie que, se tocasse "aos seus", a posição dessas pessoas seria diversa.»

Anónimo disse...

Se quem se manifestou tivesse ponderado o problema segundo os termos deste post...não se tinha manifestado. Provavelmente ainda estariam a ponderar sobre o assunto e o Relvas já tinha ido e vindo.

Se todos sempre ponderassem segundo os termos deste post, todos estariam ainda a ponderar se haveriam ou não de protestar publicamente contra o governo enquanto o governo continuaria a falar do sucesso da sua governação dada a ausência de protestos significativos.

Um comunista.

Porfirio Silva disse...

Antigamente os comunistas eram contra as pressas.