29/05/11

mais uma mentirola de Marcelo


Marcelo Rebelo de Sousa, na sua habitual homilia dominical, prossegue a desinformação, numa espécie de super-tempo de antena (mal) disfarçado. Acabou há poucos minutos de dizer que as propostas do PSD para a Educação vão na linha do que exige o Memorando com a troika e que o PS mente quando dá a ideia de que vai continuar a defender a escola pública.

Vamos lá ler então o ponto pertinente do Memorando de Entendimento:

«1.8.Reduzir custos na área de educação, tendo em vista a poupança de 195 milhões de euros, através da racionalização da rede escolar criando agrupamentos escolares, diminuindo a necessidade de contratação de recursos humanos, centralizando os aprovisionamentos, e reduzindo e racionalizando as transferências para escolas privadas com contratos de associação.»

Marcelo Rebelo de Sousa, tome nota: ser militante do PSD não o devia obrigar a continuar a mentir, como tantas vezes faz no seu regabofe televisivo, mesmo quando isso é manipulação em tempo eleitoral. Diz o povo, com razão: quem não tem vergonha, todo o mundo é seu.

7 comentários:

MFerrer disse...

Absolutamente descarado e que vai ser desmentido pelos portugueses dia 5 de Junho!
Abraço

Anónimo disse...

Uma pequena correcção: ao autor do blogue e ao Professor Marcelo. O memorando prevê um corte de 195 milhões em cada ano. Se isto se consegue fazer mantendo salários e número de docentes, eu tenho sérias dúvidas.
Henrique de Souza Azevedo

Porfirio Silva disse...

Henrique,
O ponto citado no blogue está na parte respeitante a 2012. Há uma alínea "educação" para 2013, de âmbito diferente, e com um montante diferente (mais baixo). Assim sendo, e salva a possibilidade de eu ter lido mal o Memorando, a sua "pequena correcção" está errada. E, de qualquer modo, Marcelo mentiu e eu não - mesmo que a sua correcção estivesse certa, o que não me parece o caso.
Em termos mais gerais, o seu cepticismo é o do costume: temos de fazer mais com menos dinheiro (aumentar a eficiência, em vez de deitar fora os serviçis públicos), mas há sempre os cépticos de serviço que duvidam. Precisamos mais de quem arregace as mangas e faça, menos de quem duvide sempre.

rauau disse...

A honestidade, a intelectual ainda mais, é um bem muito raro.
A inteligência, o saber, o conhecimento, precisa de ser utilizado no "construir colectivo", " o arregaçar as mangas e fazer", sem este tipo de manipulação. Não entendo esta necessidade de poder a todo o custos, sem pudor, ética. A política não precisa de " elites " destas, precisa de pessoas honestas, empenhadas e agradecidas ao "povo" a que pertencem.
Abraço
Raul

Porfirio Silva disse...

Cito: "A honestidade, a intelectual ainda mais, é um bem muito raro."
Precisamente. Sublinho "a intelectual ainda mais".

Anónimo disse...

Caro Profírio, não me leve a mal, eu baseio-me na tradução que fiz para meu consumo pessoal do memorando de 4 de Maio. Não sei se o Conselho Europeu lhe dá razão. Se der, ou se a minha tradução do orginal estiver errada, as minhas desculpas.
Não se trata aqui de ser "velho do Restelo". Com eficiência consegue-se tudo, mas com realismo o Porfírio sabe bem que dificilmente há ganhos monstruosos de eficiência em 2 anos...Era apenas esse o objectivo do meu comentário. Não havendo ganhos de eficiência dessa magnitude, sobra a alternativa que eu referi: e que essa seria claramente um ataque à escola pública.
Henrique S. Azevedo

Porfirio Silva disse...

Henrique, há versões oficiais de documentos oficiais: de traduções pessoais não sei nada (e, de qualquer modo, os números aparecem da mesma maneira em inglês e em português, tanto quando indicam montantes, como quando indicam anos).