30/01/13

PS, contador a zeros?




1. Quando toda a gente noticiava que António Costa iria, ontem, anunciar-se candidato à Câmara de Lisboa e candidato a SG do PS, a história correu de modo um tanto diferente. AC anunciou-se candidato à CML e, na Comissão Política do PS, depois de António José Seguro ter anunciado que se recandidatava à liderança, deixou ao SG o repto de unir o partido, sendo que a candidatura de AC só ocorrerá se Seguro falhar nesse desiderato. Parece que esta sequência de acontecimentos baralhou algumas pessoas. Por exemplo, o director da TSF dizia hoje de manhã que Seguro deu a Costa “o abraço do urso”. Paulo Baldaia dizia que imaginava um cartoon com Costa, de braços caídos, a ser abraçado por um Seguro enorme e de sorriso aberto, a esmagar o abraçado. Se o ridículo interpretativo matasse, Paulo Baldaia teria expirado em directo na TSF. Vejo as coisas de modo completamente diferente. Vamos por partes.

2. Tacticamente: AC ficaria muito mal na fotografia, perante o país, até mais do que perante o partido, se anunciasse as duas candidaturas (à câmara e ao partido) no mesmo dia. Pareceria uma jogada daquelas que as pessoas comuns (como eu) abominam nos políticos. Ser presidente de câmara e líder do PS, além de não ser inédito, poderia justificar-se; mas, num contexto de confronto, a respectiva justificação tenderia sempre a ser lida como uma desculpa de mau pagador. AC resolveu esse problema: não faltou à batalha, de alcance nacional, que Seguro e os militantes lhe pediam para batalhar; sendo agora o mais relevante candidato do PS nas próximas autárquicas, não pode continuar a ser atacado pelas formiguinhas brancas do segurismo com o primarismo com que dirigentes nacionais do partido o fizeram ainda ontem (nomeadamente, acusando-o de deslealdade por algo que nem sequer tinha acontecido).

3. Estrategicamente, AC recolocou a questão da “unidade do partido” nos seus termos próprios, desfazendo uma charada que estava a ser muito mal contada. Seguro, que passeou os seus silêncios e as suas alfinetadas de colorido oposicionista durante todo o tempo dos governos Sócrates, tem sido, desde que é SG, o principal obreiro da divisão do PS. Seguro acolheu – a maior parte das vezes com silêncios, mas muitas vezes de forma explícita – a tese da direita segundo a qual a culpa da crise foi do PS (de Sócrates), que o PS (de Sócrates) levou Portugal à bancarrota. Acolhendo essa tese, e prescindindo sistematicamente de defender a obra do anterior governo do PS, como se dela nada soubesse, Seguro e a sua direcção alienaram uma parte do partido e do seu eleitorado. Aquela parte do partido que deu a cara quando Seguro deu o silêncio e o afastamento, a pensar na sua vez. A intervenção política de Seguro tem sido gerida milimetricamente para manter no exílio político todo o legado da anterior governação do PS, com evidente vantagem para o discurso político da maioria governamental. Passos encontrou no discurso de Seguro conforto para ter “ido ao pote” (expressão de PPC) no momento em que a Europa se preparava para ajudar Portugal a evitar o resgate e a troika e o cortejo de malfeitorias que daí resultaram. Este discurso, do PS-Seguro contra o PS- Sócrates, está profundamente enraizado nos dirigentes mais próximos do SG, como se viu pelas múltiplas declarações dos últimos dias, que muitas vezes não foram sequer capazes de usar termos muito diferentes dos escolhidos por Marques Mendes para “comentar” a situação. Depois de tudo isto, primeiro responsável pela desunião, Seguro vem acusar de divisionistas os descontentes com a situação. O gesto de Costa, ontem, devolve a responsabilidade pela (des)união do PS a quem realmente tem a principal responsabilidade por unir ou por desunir: o líder. AC limitou-se a indicar ao partido qual é o seu principal problema político (encontrar uma unidade saudável e que funcione) e quem é o primeiro responsável por que esse problema se resolva ou não se resolva: o líder em funções. Contrariamente ao que parecem pensar os comentadores distraídos, AC devolveu a bola a Seguro e colocou do lado do SG toda a pressão: “vamos ver o que sabes fazer para unir o partido”.

4. Poderá AJS unir o partido e dar a AC a resposta que poupe uma luta interna? No caso de Seguro ter a intenção de responder positivamente ao desafio de Costa, terá de mudar substancialmente a sua narrativa sobre os últimos anos da vida política do país. Seguro, que foi levado a SG por uma federação de grupos dentro do PS que se reclamavam como sendo a esquerda do PS, e que criticavam o “desvio de direita” e/ou o autoritarismo de Sócrates, nunca promoveu um balanço sereno e sério da governação socialista no ciclo anterior. Sem esse balanço, quando se refere ao passado, passa o tempo a atirar fora o bebé com a água do banho. O caldo de cultura que leva Seguro a SG é uma mistura estranha das críticas do PSD+CDS e das críticas do PCP+BE ao “socratismo”, estando agora a resultar num estilo de oposição que engrossa muito a voz mas não dá sinais nenhuns de ter uma ideia global alternativa para o país. O episódio da não constituição da comissão parlamentar para a reforma do Estado, por falta de comparência das oposições, mostra – por muito que tenha agradado aos que adoram gestos largos – a incapacidade do PS para assinalar um rumo para o país que seja diferente quer da irresponsabilidade da direita quer do simplismo da “esquerda da esquerda”. Para Seguro ser capaz de unir o PS e poupar o partido a uma luta interna, teria de operar uma transformação radical dos pressupostos políticos da sua liderança, da equipa dirigente, dos protagonismos, teria de criar uma narrativa dos últimos anos que desminta a sua actual narrativa – e ainda teria de dar alguns sinais de que tem para uma governação futura as ideias que a generalidade das pessoas não tem conseguido captar. Será Seguro capaz de fazer tudo isso?

5. Se Seguro for capaz de fazer tudo isto, Costa terá vencido a batalha sem sofrer qualquer baixa e sem ter sequer que pagar o almoço – e poderá, do seu “miradouro” na CML, continuar a aspirar a tudo. Se Seguro não conseguir sacudir o peso de todos os aliados que tem recolhido ao longo de tantos anos a trabalhar para “isto”; se Seguro, afinal, pensar que deu o abraço do urso a Costa e o abafou, optando por nada fazer de muito diferente do que tem feito até agora – AC “terá” que avançar. Só que, nessa altura, AC avançará “porque o SG não cumpriu com a sua responsabilidade de unir o partido, que é a primeira responsabilidade de um líder”. Nessa altura, AC “fará o sacrifício” de avançar. O jogo será, então, outro: o puzzle da unidade partidária estará em condições completamente diferentes daquelas que julgavam adquiridas aqueles dirigentes do PS que ainda ontem faziam fila à frente dos microfones para insultar António Costa. Aparentemente, inebriados com a conversa da “tralha socrática” (um estilo que une Marques Mendes, Henrique Monteiro e certos dirigentes do PS), esqueceram-se que António Costa não nasceu no tempo de Sócrates, nem pela mão de Sócrates – e que quando Sócrates chegou ao PS já Costa tratava o partido tu-cá-tu-lá há muitos anos. E que o prestígio de Costa assenta, antes de mais, no que tem feito à vista de todos em cargos executivos, não em meras proclamações de intenções. O pior de tudo isto, para Seguro, é que o “professor” que vai avaliar as suas “provas” de que é capaz de unir o partido é, precisamente, quem elaborou o “enunciado” do exame: o hoje aclamado candidato do PS à mais relevante autarquia do país.

12 comentários:

Jaime Santos disse...

Costa tem claramente muito mais cv político e profissional (nisso Seguro tem 0) para dirigir o PS e não há dúvida que seria um candidato a PM que poderia ganhar eleições (duvido que Seguro seja capaz disso, até porque não tem uma ideia que seja, mas olhando para PPC, já não digo nada). Além disso, como muito bem diz, não subiu no PS à custa de Sócrates. Por isso, mesmo que Costa ficasse sem nada (isto é, renunciasse à CML e perdesse o congresso), isso não seria o fim da sua carreira política. O que o Porfírio vê como boa táctica, eu vejo como puro tacticismo, Costa contou espingardas e viu que não tinha hipóteses (por agora). Só que vai acontecer a Costa o mesmo que aconteceu a Marcelo, aliás as desculpas de Costa são semelhantes às do Professor para não ter ido a jogo no PSD...

Miguel Gomes Coelho (T.Mike) disse...

Muito bem, Porfírio.
Um abraço.

Nuno Manuel Costa disse...

Brilhante!!!!! Uma análise perfeita!

Abraço.

coraçãodemaçã disse...

Olá, Porfírio, como vai?
Li-o com atenção e apreço. Como de costume saio daqui mais esclarecida, sobre as possíveis causas da 'movida' pêéssista.
Eu tenho uma ideia formada sobre o que pretendo desses dois políticos, mas acho que este ainda não é o momento para...
Por agora basta-me e sobra-me o frenesi endiabrado com que tantas bocas batem palavras e cagam sentenças nada sérias e ainda menos desinteressadas. É só ouvi-los por aí!

Obrigada
Dri

J- Ribeiro disse...

Dizem que A.Costa tem mais CV Político que Seguro (tem zero) ao fim de um ano de SG ? Então porque o escolheram, porque o elegeram? Os militantes tiveram a oportunidade de ouro para que ele não tivesse chegado aí. Os que pedem união... dividem.

Francisco Clamote disse...

Só não dou o benefício da dúvida a Seguro. Com tudo o mais concordo.

Anónimo disse...

Uma análise baseada numa visão da militancia na realidade urbana. Seguro entra por todas as Federações, excepto em Lisboa e Aveiro e recolhe o apoio maioritário em todas as outras poder-se-á dizer que é o aparelho, mas foi precisamente o aparelho que tramou A. Costa todas estas pressões sofridas nos ultimos tempos apenas se destinaram a que os homens da herança de Sócrates perpetuassem as suas quintas, já se deram ao trabalho de verificar que o cerne da questão em termos de discordancia com a Direcção está no Grupo Parlamentar herdado do velho ciclo.

J- Ribeiro disse...

Lanço daqui uma ideia a quem quiser alterar esta indefinição vergonhosa : SOCIALISTAS INDEPENDENTES formai um novo grupo político, e deixai os Militantes Socialistas com as suas lutas e guerrinhas nos seus quintais. Os INDEPENDENTES formam a maioria dos votantes e são aqueles que conseguem mudar o ciclo da história. O voto dos militantes não são suficientes para chegar ao governo.

Josant disse...

Acho que Jaime Santos exagera no culto da personalidade. Nem um tem 8,AJS nem outro 80,AC em qualquer das duas vertentes,quer política, quer profissional (pessoalmente, confesso, desconheço a de ambos). -Realmente não subiu, e ainda bem, à custa de Sócrates, mas também não subiu a pulso.- É lógico que ninguém...perde, aquilo que não...tem,como duvído, se AC renunciasse à câmara, viesse a ter uma carreira política assim tão...prometedora. Agora o que me surpreende,ou talvez não, é o oportunismo da equação "táctica ou tacticista" que não é virgem(diga-se) no Partido Socialista, com os resultados que têm sido demonstrados. Realmente o "contar as espingardas", tem sido uma estratégia que os mais espertos sempre utilizaram,sómente com a intenção de enaltecer...uns e diminuir...outros. Sintetizando...é o absurdo, que mais uma vez se quer instalar no PS,para recriar nas suas hostes o paradigma de sempre; amor/ódio dentro da mesma família.

Jaime Santos disse...

Gostava de responder ao Josant e ao J. Ribeiro, se me permitem. Em primeiro lugar, deixem-me dizer-lhes que não sou militante socialista nem quero sê-lo, sou um mero simpatizante do PS, que ou vota nesse Partido ou se abstém, como aconteceu nas últimas eleições. Espero que não seja preciso ter cartão partidário para comentar no blogue do Porfírio sobre o PS. Quanto à experiência profissional de AJS, não lhe conheço nenhuma actividade relevante para além da actividade política e era a isso que me referia quando disse que ele não tem currículo profissional. No caso do currículo político foi ora deputado, ora Ministro Adjunto de Guterres. Costa foi deputado, Ministro (em três pastas muito relevantes) e ganhou as eleições à CML por mérito próprio duas vezes. Portanto, julgo que não é o ano e tal que AJS leva à frente do PS que serve para contrariar isso, ainda por cima com pérolas como a da Abstenção Violenta ou agora com o fato de ter reclamado vitória quando o Governo pediu para renegociar os prazos da dívida. Seguro pediu (e bem, na minha opinião) mais tempo para cumprir os objectivos do deficit. Depois, embora eu seja um crítico de Sócrates, acho que a atitude de AJS relativamente a Sócrates é tremendamente dúbia e já o era no tempo em que o PS estava no Governo, Seguro devia ter-se apresentado então como alternativa a Sócrates se discordava profundamente deste e devia ter posteriormente feito um balanço do tempo do PS no Governo, que servisse para desarmar os argumentos (por vezes ad hominem) da Direita.. Eu tenho pelas razões apontadas muito mais consideração por AC do que por AJS, mas não estou a ver porque é que isso constitui culto da personalidade, até porque acusei e acuso AC (no comentário anterior) de falta de coragem política. Aqui, Seguro respondeu como deveria, depois da hesitação inicial e quer convocar um congresso apanhando os adversários em contra-pé...

Porfirio Silva disse...

Então, Jaime, mandei-lhe uma carta a pedir que confirmasse que tinha as quotas em dia, para poder comentar aqui no blogue... e afinal...

(Estou a brincar: tenho de avisar, porque de quando em vez há cada interpretação do que eu digo...)

Jaime Santos disse...

He, he, he, mas não da minha parte, porque não estou nada a vê-lo no papel de trauliteiro e controleiro de serviço, ao estilo José Lello :-) ...