18.4.15

na próxima segunda-feira, dia 20 de Abril, ao meio dia.




Tive conhecimento de uma mensagem/iniciativa, que passo a divulgar.

***

Caros colegas,

Como já deve ser do vosso conhecimento o Professor José Mariano Gago faleceu ontem, dia 17 de Abril.

O Professor Mariano Gago impulsionou e marcou profundamente a ciência em Portugal nas últimas décadas, contribuindo decisivamente enquanto presidente da FCT e Ministro da Ciência para o desenvolvimento do sistema cientifico nacional em muitas das suas vertentes.

Alguns de nós não gostaríamos de deixar de assinalar a sua passagem e o seu contributo para a ciência portuguesa. A título de reconhecimento público da comunidade científica nacional pela contribuição do Professor Mariano Gago, propomos que na próxima segunda-feira, dia 20 de Abril, ao meio dia (12h), os centros de investigação e faculdades parem as suas atividades normais durante 5 minutos, e que os colegas se concentrem em frente das portas principais das respectivas instituições.

Agradecia que divulgassem esta iniciativa.

Abraços

António Jacinto (CEDOC)
Arlindo Oliveira (IST)
Alexandre Quintanilha (IBMC/I3S)
Carmo Fonseca (IMM)
Catarina Resende de Oliveira (CNC)
Claudio Sunkel (IBMC/I3S)
Fatima Carneiro (IPATIMUP/I3S)
Isabel Ribeiro (IST)
João Bettencourt Relvas (IBMC/I3S)
Joao Pedro Conde (IST)
João Sanches (IST)
José Manuel Mendonça (INESC)
José Santos Vitor (IST)
Leonor David (IPATIMUP/I3S)
Lopes da Silva (ISR/IST)
Manuel Heitor (IST)
Manuel Sobrinho Simões (IPATIMUP/I3S)
Maria de Sousa (IBMC/I3S)
Maria Mota (IMM)
Mario Barbosa (INEB/I3S)
Pedro Lima (IST)
Raquel Seruca (IPATIMUP/I3S)
Sampaio Cabral (IST)
Teresa Paiva (CENC)

14.4.15

Um Diálogo com o Japão sobre Coisas, Robôs e outros Humanos.



A mundivisão japonesa difere da ocidental no que toca à compreensão do lugar dos humanos na realidade. Os outros seres vivos e mesmo os objectos inanimados merecem, na cultura japonesa, uma consideração que entronca com uma postura mais modesta acerca do lugar da humanidade no concerto dos seres. Em 2013, Porfírio Silva dedicou cinco meses como investigador visitante na Universidade de Tóquio a estudar a relevância dessa mundivisão na perspectiva das “sociedades artificiais”. Concretamente: num tempo em que há cada vez mais máquinas intercaladas nas relações sociais dos humanos (é o caso da proliferação de robôs), podemos recorrer ao pensamento japonês para compreender melhor como lidar com os desafios decorrentes desse fenómeno?
Nesta conferência apresentam-se alguns dos resultados desta investigação. Serão apresentados e discutidos, em primeiro lugar, alguns exemplos de robótica humanóide japonesa, seguindo-se a construção do diálogo possível entre um filósofo japonês e um ocidental sobre as relações entre sujeitos e objectos no mundo dos humanos.

(Cf. no sítio da Fundação Oriente.)