15/04/16

“Há aspectos onde o poder político tem de ficar à porta da escola”




{O Diário de Aveiro publica hoje uma entrevista comigo, sobre Educação. Como, por esse país fora, muitos dos meus amigos não podem comprar o Diário de Aveiro, deixo aqui um registo.}

Entrevista. O deputado do PS Porfírio Silva fala sobre o encontro “Que Escola para o século XXI?” que decorre amanhã, às 9:30 horas, no Conservatório de Música, em Aveiro.
O PS organiza amanhã, em Aveiro (Conservatório de Música, 9:30 horas) o encontro “Que escola para o século XXI?”, com a participação do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e de outros oradores, entre governantes, deputados e especialistas. O Diário de Aveiro falou com Porfírio Silva, o deputado eleito por Aveiro que é o coordenador socialista na Comissão de Educação e Ciência.

Diário de Aveiro – O que irá mudar de mais significativo na educação com este governo?
Porfírio Silva – A principal aposta é a promoção do sucesso escolar. A política educativa do anterior governo esqueceu os combates mais difíceis, como o insucesso escolar e as desigualdades. Agora é preciso focar no essencial: que todos os alunos aprendam mais e melhor, para que a escola seja fator de mobilidade social ascendente e de desenvolvimento do país. Para isso foi criado recentemente o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar, que vai juntar vários sectores para orientar o esforço para combater o insucesso escolar, dar mais conteúdo concreto à igualdade de oportunidades e aumentar a eficiência e qualidade da escola pública. Certamente que esta aposta terá de passar pela universalização da educação pré-escolar a partir dos 3 anos (sabemos como isso faz a diferença no sucesso dos alunos), pelo enriquecimento do currículo, pela valorização de todas as componentes de formação (técnica, tecnológica, artística, física), pela valorização pedagógica do ensino profissional, pela inovação pedagógica, pelo reforço da ação social, pela formação contínua dos profissionais, por um modelo de avaliação virado para apoiar a aprendizagem e não para a seriação dos alunos.

O novo modelo de avaliação no ensino básico é acusado de facilitismo. Não era importante manter os exames?
O PS não tem nenhuma posição radical quanto aos exames: o novo modelo mantém o exame do 9º ano. Mas temos de ser sensatos e distinguir as coisas: Portugal era praticamente o único país do nosso espaço civilizacional com exames no 4º ano. Radicais ideológicos foram os que introduziram esses corpos estranhos no sistema, não por razões pedagógicas, mas por bandeira política. Se, em vez de pensarmos em rankings, que são um instrumento tão mal usado, pensarmos em avaliação que seja útil para ajudar os alunos a aprender melhor, ajudar os professores e as famílias a orientar melhor os alunos, então estamos muito melhor servidos com as provas de aferição. As provas de aferição vão dar indicações acerca do que deve ser corrigido e do que deve prosseguir por estar a correr bem, e isto a nível individual e a meio dos ciclos de estudos, a tempo de corrigir, em vez de deixar para o exame final, quando já é tarde. Portanto, respondo: nada disto é facilitismo.

A redução do número de alunos por turma é apenas uma bandeira, ou vai mesmo ser concretizada?
Em muitos casos seria importante poder trabalhar com grupos mais pequenos, embora haja situações muito diferenciadas. Vamos avançar com isso gradualmente. Mas não se trata simplesmente de encolher as turmas, trata-se de permitir que a nível de escola se façam escolhas finas que respondam à diversidade de situações existentes. Por exemplo, na aprendizagem de uma língua estrangeira, pode fazer falta ter um grupo mais pequeno na componente de prática oral, mas isso não ser importante nas partes mais teóricas. Não devemos, portanto, focar-nos num limiar fixo e universal de alunos por turmas, mas criar condições para, progressivamente, pensando a partir da sala de aula, que é onde as coisas acontecem, se poder responder de forma favorável ao trabalho de alunos e professores.

A ideia de deixar mais decisões às escolas também inclui a chamada descentralização das competências?
Há aspetos onde o poder, qualquer poder político, tem de ficar à porta da escola. Não queremos os municípios a interferir com a pedagogia. Muitas autarquias têm desempenhado um papel muito positivo no apoio às escolas, em termos de meios materiais, humanos, apoio social, racionalização de recursos locais – e isso deve ser incentivado. Só que há domínios onde a autonomia da escola não pode ser beliscada: os aspetos curriculares e pedagógicos, a contratação de professores, bem como a gestão da rede, são vetores da escola que não podem ser tomados pelos poderes exteriores à escola. Delimitados os campos, é positivo o envolvimento das autoridades locais com as escolas.

Quais as prioridades para o Ensino Superior e a Ciência?
O anterior governo tentou fazer-nos crer que empobrecendo Portugal e os portugueses podíamos resolver os nossos problemas de desenvolvimento. Esse caminho estava errado e temos agora de encetar uma estratégia baseada no conhecimento, na qualificação das pessoas, das instituições e dos territórios, na ciência. Para isso, a primeira prioridade é reforçar o investimento em ciência e tecnologia, rejuvenescendo o corpo docente no ensino superior público e reforçando o emprego científico. Este ano devolveu-se às instituições a capacidade para contratar. É preciso avançar decididamente no combate à precariedade dos investigadores: não podemos preencher necessidades permanentes de investigadores com bolsas que se eternizam, os trabalhadores científicos têm de ter contratos dignos. Reforçou-se já este ano a ação social escolar. Depois, é preciso promover o enraizamento do saber nas necessidades dos territórios, designadamente apoiando os Politécnicos para fazerem mais formação avançada relevante para as suas regiões, para fazerem mais investigação ligada às atividades económicas e culturais regionais, para trazerem mais estudantes ao ensino superior. Em terceiro lugar, há que promover articulações mais fortes com áreas de desenvolvimento que têm tudo a ganhar em serem mais intensivas em conhecimento. Depois, há que alargar a base de recrutamento da ciência, por exemplo retomando a promoção do ensino experimental das ciências no ensino secundário. E ainda quero sublinhar a importância da já lançada Política Nacional de Ciência Aberta, que visa generalizar o acesso aberto às publicações e aos dados científicos resultantes de investigação financiada por dinheiros públicos. Trata-se de retomar a estratégia de longo prazo de Mariano Gago, que foi interrompida de forma sectária na última legislatura.

Mas não houve agora um corte de financiamento no Ministério da Ciência e Ensino Superior?
Durante um dia ou dois pensou-se que podia haver uma cativação de verbas que afetarias as instituições de ensino superior, mas tudo foi esclarecido rapidamente. O país não ficou rico de repente, mas há de facto uma aposta em investir nesta área.





1 comentário:

Anónimo disse...

Bom dia
Nao vou comentar a entrevista.
.Gostaria de sugerir que fosse feito um plano estrategico para 5-10 anos oara desenvolver o pais. Que um ministro, sec de estado ou representante fizesse road shows, para captar investimento estrangeuro para dinmmizar a economia, paea vender as nossas exportaçoes. Por exemplo agora o leite e a carne de suino no japao, coreia do sul, como a irlanda esta a conseguir. Ouvi uma associaçao do sector dizer na Etv.
Nao podem ficar ha espera que corra tudo bem. So ouço falar de polutica e nao de economua.
.Sempre votei no Antonio Costa, mas nso concordo com o acordo com as esquerdas por razoes economicas. Se correr tudo bem, aqui estarei para o afirmsr. Nao consigo ouvir Catarina Martins, grita muito. Ouvi Louça no congresso(?), ha semanas, dizer se tivessemos msis 20% fariamos..., se tivessemos mais 20% fariamos.... Que marketing. Quer roubar votos ao PS.
.Nao concordo com a contrataçao do amigo de Costa, com ou sem contrato. Espero que nao aconteça o que disseram Carlos Paz, Etv, 14/4, 12h. Nem A. Cerveira, rtp3, 17/4,1h.
Isa Pinto