05/10/10

mensagem aos que detestam (e bem) a confusão entre actividades partidárias e actividades das instituições comuns


Critica-se muito (e é de criticar) o facto de, em algumas circunstâncias, se promover a confusão entre actividades partidárias e actividades das instituições da república. Essa prática nem sempre é assumida pelos respectivos agentes com toda a clareza. É frequente atirarem-nos areia para os olhos: por exemplo, um responsável público quer ir a determinada realização do seu partido, mas sem pagar os custos de ir a determinada localidade e com os convenientes serviços do aparato público a que tem direito quando está em funções - mas a que não tem direito quando está actividade partidária. Então, como faz? "Arranja" um evento enquadrável na sua função oficial, no mesmo sítio, na mesma data, a horas convenientes. E depois é só colocar a máquina em marcha. Claro que isto só engana quem quer ser enganado, razão pela qual já há algum cuidado em não abusar do expediente.

Persistem, contudo, os que se acham dispensados de tais cuidados.

Não apenas na nossa república portuguesa, mas também na "república" europeia.

O Partido Popular Europeu, o partido da direita europeia a que pertencem tanto o PSD como o CDS, vai realizar na Madeira umas "jornadas de estudo" entre 13 e 15 de Outubro próximo. (Não sei se escolheram a Madeira para fiscalizar in loco os atropelos à democracia que pratica a tribo por lá governante... Deve, aliás, ser para interrogar Alberto João que o convidaram para a sessão de abertura. Já à espera do espectáculo que ele proporcionará na ocasião, está já previsto que lhe seja entregue a Medalha Schuman.)
Nessa iniciativa estritamente partidária vão participar vários membros da Comissão Europeia. O seu presidente, Durão Barroso. Kristalina Georgieva, comissária para a ajuda humanitária. Janusz Lewandowski,comissário para o orçamento.
Está tudo em linha, no programa das tais jornadas.

Vou ficar atento. Vou querer saber quais as actividades oficiais que estes comissários (incluindo o Presidente José Manuel) realizarão na Madeira nos mesmos dias desta iniciativa partidária (já que esse é o truque habitual para esconder o gato e o respectivo rabo). E vou querer saber se a instituição Comissão Europeia, que não é - ainda - um departamento do PPE, foi chamada a custear ou de algum modo apoiar estas excursões à terra de Alberto João, um ditador insular muito apreciado por Jaime Gama, por Durão Barroso e Pedro Passos Coelho (que também vai à festa).

Sem comentários: