06/03/15

Passos e o truque da compaixão.



Ao "Sol" de hoje, PPC dá uma explicação sobre os processos que teve com o fisco: "Atrasei-me por distracção e por falta de dinheiro". Só li a capa e só me pronuncio sobre esta frase: "Atrasei-me por distracção e por falta de dinheiro".

A mesma pessoa que, no caso das contribuições para a Segurança Social, andou cinco anos em evasão contributiva, que disse que não sabia que tinha que pagar apesar de ter participado como deputado no debate da lei, que tinha decidido que pagava mais tarde como se tudo fosse de opção em matéria de obrigações, que só pagou quando percebeu que estava eminente a publicação de uma notícia - agora vem, na questão dos embates com o fisco, apelar ao coração dos portugueses: foi por falta de dinheiro.

Como sabe que muitos portugueses estão com falta de dinheiro, quer colar-se a eles, como se fosse um deles.

Apesar de, politicamente, não ter piedade nenhuma por essas pessoas que estão sem dinheiro. Ainda na semana passada a coligação chumbou no Parlamento uma proposta do PS para suspender a penhora de casas de família por pequenas dívidas ao Estado. Agora, com hipocrisia, quer fazer-se humilde como os que estão com falta de dinheiro.

De facto, problemas com o fisco muitos podem ter. E têm. Não há nada de especial nisso. Atrasos, enganos, que logo se corrigem. Acho, aliás, que a oposição política não deve vir a empolar aquilo que não se sabe acerca das relações de Passos com o fisco, que, pelo até agora publicado, não tem a gravidade do caso da evasão contributiva, essa verdadeiramente escandalosa no que revela do modus operandi daquela pessoa.
Agora, outra coisa é a opacidade: parece que o PM age como se tivesse alguma coisa a esconder, não compreendendo que isso fere a sua função de governante de modo perigoso para a democracia. É a história da mulher de César, que não preciso de vos lembrar. E, depois do episódio da evasão contributiva, foi PPC quem deu ao país razões para desconfiar dele.

Entretanto, dos lados de Belém vem um silêncio tumular. Que me vou dispensar de comentar.

3 comentários:

Anónimo disse...

"Entretanto, dos lados de Belém vem um silêncio tumular."

E dos lados do PS, o que tem vindo, Porfirio Silva ?

Nomeadamente sobre as indirectas de PPC a JSócrates ? Ou será que o PS considera que não lhes diz respeito? No dia em que os jornais e a magistratura resolverem avançar com o inevitável xeque-mate à cúpula do PS ( sim, pq a tese de que a alegada corrupção entre JS Primeiro Ministro e o grupo Lena não se aguenta sem o envolvimento de uma rede qualquer de outros governantes....)não será demasiado tarde ?

Cumprimentos,

JRodrigues

Anónimo disse...

tumular é mesmo o que melhor comenta a situação

Anónimo disse...

E quem é que realmente ainda poderia esperar algo de diferente vindo de lá do Palácio do pastel de Belem,aquele que nunca tem dúvidas?----Contribuinte Zé