11/04/15

presidenciais, em abstracto.


Kostis Velonis, Life without Tragedy, 2011
(fotografado na exposição No country for young men, BOZAR, Bruxelas)

Pode gostar-se ou não deste ou daquele candidato presidencial; é legítimo manobrar a favor ou contra esta ou aquela possível candidatura - mas tentar traçar uma fronteira da política para aquém da qual não podem passar os independentes, uma espécie de reserva dada como inacessível a personalidades sem partido, parece-me o cúmulo da degradação da relação da política com a cidadania. E, portanto, o cúmulo da degradação da própria política.

Sem comentários: