11/02/15

conversa de blogues.



Chamaram-me a atenção para o facto de Maria João Marques, hoje no Observador, se referir a um post meu sobre as relações entre partidos de esquerda. Fui ver e não me espantei. Quando uma pessoa quer tresler o que outra pessoa escreve faz uma pseudo-citação e NÃO facilita a vida ao leitor para ir verificar. É o que faz Maria João Marques, que poderia ter dado o link do meu post... mas não deu. Percebe-se: estaria a facilitar ao leitor a constatação do grau de seriedade do texto que ela assina.

Nem dou muita importância ao facto de a articulista escrever que o meu texto é de 2014, quando ele na verdade é de 2012. Não mudo facilmente de opinião em questões essenciais, embora o indício revele o "cuidado" com o que se escreve.

Valeria a pena tentar explicar a Maria João Marques que, tendo eu escrito dezenas de textos sobre o tema das relações entre o PS e outras forças de esquerda, a escolha de uma frase tirada do contexto para "representar" o meu pensamento é um procedimento demasiado gasto?
Não; não vale a pena; não vale a pena pela simples razão de que, mesmo a frase que escolheu para me "incriminar" (!!!) não autoriza nada das suas elocubrações supostamente baseadas nas minhas palavras.

Enfim, como acredito na inteligência dos meus leitores, deixo os links para os textos em causa. O texto de Maria João Marques. O meu texto.

(Imagem: Cloud formations by Alex Antas.)

2 comentários:

António Pedro Pereira disse...

Caro Porfírio:
Por favor, leia o post de Francisco Seixas da Costa «Destruição criativa».
Encontra lá a resposta para a sua interrogação sobre as razões porque esta fanática neoliberal Maria João Marques fez o que descreve.
Cumprimentos

Porfirio Silva disse...

Obrigado.

O post a que se refere é este: destruição criativa .