15/01/14

se querem investigar, emigrem para as Maurícias.


A Fundação para a Ciência e a Tecnologia divulgou ontem os resultados do concurso nacional de bolsas. Aos poucos vamos percebendo quais são os números agregados e o que significam.

Parece que a mancha geral tem este aspecto:

Quanto a bolsas de doutoramento, dos 3433 candidatos foram aprovados 9% (298).
No que toca a bolsas de pós-doutoramento, de cerca de 2100 candidatos terão sido aprovados 210 (10%).

Para termos a noção do que isto significa: nas bolsas de doutoramento, se for correcta a suposição de que serão este ano atribuídas todas as cerca de 400 bolsas previstas no primeiro concurso para Programas Doutorais (o que não é de todo certo), o resultado global significa um retrocesso a números de 2003. Sem essas bolsas, este é o pior número de sempre (desde 1994).

(Acrescento. O Público tem números ligeiramente diferentes, mas não muda nada na substância.)

3 comentários:

Jaime Santos disse...

Investigação científica? Mas isso é tudo uma cambada de chupistas a viver à custa do Estado... Que espécie de valor é que essa gente cria para a Economia Real? O que é preciso é reduzir o Déficit, nem que se mate o País à fome... P.S. Isto é o pensamento dominante na Direita, não sou obviamente eu, que por acaso até sou Investigador :-) (enquanto o contrato durar...)

Unknown disse...

Parece que o responsável pela FCT veio a público dizer que nunca se apostou tanto na ciência. Tamanho cinismo.

Porfirio Silva disse...

Devem estar a apostar no euromilhões em nome da ciência...