23/12/13

votos para a quadra.


Os meus votos estão todos num: que mereçamos este poema.

Porque


Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner Andresen, in Mar Novo (1958)






4 comentários:

Jaime Santos disse...

De Agnóstico para Agnóstico, desejo-lhe a si e aos seus umas Boas Festas. Discordo de si muitas vezes, mas ainda bem que há Pessoas como o Porfírio que falam com Serenidade e sem Medo. De facto, não é coisa pouca...

Porfirio Silva disse...

Jaime,
Obrigado. Também lhe desejo umas Boas Festas e um 2014 acima das expectativas. Sabe, o Jaime é o conversador mais assíduo nos últimos meses aqui no blogue, quando já quase todas as conversas transitaram para o Facebook. Gabo-lhe a paciência e, portanto, ainda desejo que 2014 seja propício à continuação das conversas por aqui.

Jaime Santos disse...

Porfírio, venho aqui porque, conservador como sou, recuso-me a ter uma conta no Facebook, quando a maioria dos meus amigos e familiares já a têm. As recentes revelações de Snowden mais não fizeram do que aumentar a minha convicção que não quero mesmo ter nada a ver com as redes sociais :-)... Mas essa conversa fica para outra altura. Por agora, reitero os votos de Boas Festas e Bom 2014...

Baltazar Garção disse...


Lindo.

Como também a música que para ele compôs o (então ainda) Padre Fanhais...