30/12/13

incendiar o Extremo-Oriente.

2 comentários:

Jaime Santos disse...

Alguém disse recentemente que isto não seria mais do que uma manobra de Abe para criar uma ameaça externa, de modo a rever a Constituição Japonesa (vista por setores conservadores como uma imposição americana e por isso uma humilhação), e que permitisse ao Japão dotar-se de Forças Armadas muito mais poderosas... Se isso é verdade, então o termo que utilizou (incendiar o Extremo-Oriente) é inteiramente adequado...

Porfirio Silva disse...

Jaime,
O título do post é completamente propositado. A ocupação americana no pós-guerra, por muito que ela tenha aspectos criticáveis, deixou uma coisa: um imenso e profundo pacifismo do povo japonês. Os japoneses integraram a ideia de que a desgraça da derrota se deveu ao aventureirismo dos militares - e, também, a ideia de que podem viver muito melhor se não agredirem ninguém. Para alcançar e consolidar o poder interno, há quem tente desviar o povo japonês dessa orientação fundamental - e é isso que está a tentar fazer o actual PM Abe. Muito perigoso.