23/10/13

o "escritor".




O curto vídeo que vos deixamos acima é parte de um documentário da BBC Four, intitulado Mechanical Marvels: Clockwork Dreams on the history of automata, narrado pelo professor Simon Schaffer. Ele mostra um "menino mecânico" conhecido como "o escritor", uma criação de Pierre Jaquet-Droz ( 1721-1790 ), um relojoeiro suíço famoso por obras deste tipo.

O mecanismo do "escritor" tem milhares de peças e, sendo programável, permite-lhe escrever - com uma pena de ganso - qualquer texto com um máximo de 40 caracteres. A forma como os olhos do autómato seguem as suas "acções", bem como os detalhes da forma como processa a recarga da pena com tinta fresca (agitando-se brevemente para evitar "borrar a escrita"), dão-lhe uma estranha aparência "humana".

O autómato, acompanhado de outras maravilhas, está no Museu de Arte e História de Neuchâtel.

É possível ver o documentário na íntegra seguindo o seguinte link: Mechanical Marvels Clockwork Dreams.

(Não posso deixar de vos dizer que "escrever" assim não é escrever, por muito que isso desagrade aos meus amigos roboticistas. Escrever é andar pelo mundo, deixar-se questionar, reflectir - e depois dizer o que de relevante se encontrou nessa jornada. Daqui saúdo esses que verdadeiramente tratam de escrever. Mesmo quando o mundo está cheio de gente que disso nada percebe, ocupados que estão com os seus ódios de trazer por casa. Quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça.)

4 comentários:

Miguel Gomes Coelho disse...

Interessantíssimo, Porfírio.
Desconhecia de todo.
Abraço.

Jaime Santos disse...

Aparentemente, estes autómatos inspiraram igualmente Charles Babbage no planeamento da suas Máquinas Diferencial e Analítica, esta movida a vapor e programável pela técnica de cartões perfurados inventada por Jacquard (ver o livro 'Informação' de J. Gleick). A isto junta-se um conjunto de notas escritas pela Snra Ada Lovelace, sob a orientação de Babbage, pertencentes à tradução para Inglês de uma obra em Italiano sobre a Máquina Analítica. O que é interessante nessas notas é que uma contém o primeiro algoritmo (para o cálculo de números de Bernoulli) destinado à implementação num computador. Infelizmente, a Máquina Analítica nunca foi construida, por falta de financiamento, e possivelmente porque as tolerâncias mecânicas dos componentes da época não eram suficientes... P.S. As minhas desculpas se estes fatos são bem conhecidos do Porfírio, provavelmente são...

Porfirio Silva disse...

Jaime, disso sei alguma coisa, mas ainda me falta saber muito...

António P. disse...

Bom dia Porfírio,
A mecânica é (era) uma maravilha (defeito de profissão/formação).
Thanks.
Mas "escrever" é como dizes.
Abraço