07/06/13

um dia eternidade.


Um poema de Luís Quintais.


UM DIA ETERNIDADE

Um cavalo fala,
profetiza a morte
de Aquiles.

Depois o dom da fala
escapa-lhe, e o mundo
arrasta-se,
de ira e desespero
contaminado.

Ao instante
entre a fala
do animal
e a mudez
irremovível,
chamámos-lhe
um dia eternidade.

Daqui.

1 comentário:

Anónimo disse...

Comovi-me não sei porquê; algum maldito espinho encravado debaixo de uma unha que já está aficar necrosada.

Dri