26/03/13

um resumo sobre Chipre.


Sabemos que há certos assuntos que são difíceis de seguir se não passarmos o dia a ler a imprensa internacional. Quando o assunto é mesmo importante, temos de nos agarrar a quem sabe e sabe dizer as coisas sem rodriguinhos. Para estes assuntos de finança global, entre os meus amigos não encontro melhor do que Jorge Nascimento Rodrigues, que, tendo opinião, nunca a mistura com informação. Por isso deixo aqui o que ele deixou ontem à noite na sua página do FB:

Confusão total sobre os "30%" em Chipre -- as TVs repetem até à exaustão, e os comentadores comentam em cima de asneira sobre asneira.

1- O imposto extraordinário sobre os depósitos acima de 100 mil euros é APENAS aplicado no caso dos depositantes do Banco de Chipre; não de todos os bancos que operam em Chipre;

2- O número dos "30%" nesse caso surgiu porque o porta voz do governo referiu que essa era a base que foi falada tendo em conta o acordo do governo com a troika, mas o valor desse imposto vai depender do estudo técnico que vão fazer; na realidade, de momento esses depósitos acima de 100 mil estão pura e simplesmente congelados, à espera da decisão final;

3- No caso do banco Laiki que vai ser liquidado, os depositantes com depósitos acima de 100 mil euros nem vão sofrer imposto nenhum, pois esses montantes acima de 100 mil vão ser considerados tóxicos e vão transitar integralmente para um bad bank onde logo se verá que rendem;

4- A reestruturação e recapitalização é apenas destinada a estes dois bancos, aliás os principais na ilha, não a todos.

E é isto. E depois venham dizer-me que as redes sociais não servem para nada. Para pouco servem muitos jornais que por aí andam.

1 comentário:

António Pedro Pereira disse...

Caro Porfírio:
Eis porque vale a pena visitar diariamente o seu blog.
Obrigado.