21/03/13

De repente somos todos cipriotas?


Chipre recusou o ultimato da “Europa” e nenhum deputado votou a favor de talhar os depósitos. E o povo aplaudiu. O povo cipriota e o povo que está farto desta democracia musculada à europeia onde alguns são senhores e outros são servos. As autoridades da ilha começaram a mexer-se para tentar encontrar uma alternativa, sendo que uma das tentativas passou por seguir os passos do anterior presidente comunista rumo a Moscovo. De momento, não parece ter dado grande resultado, mas as diferentes forças políticas ainda tentam alguma coisa que trave a guilhotina, guilhotina que só está suspensa pelos feriados bancários que mantêm fechado à chave o que há-de voar proximamente para bem longe. Terá saído dessa concertação interpartidária este “Fundo de Investimento de Solidariedade” que, embora não se saiba ainda muito bem como, se destina a reunir internamente os montantes necessários a coadjuvar o resgate internacional. Quer dizer: o que faz de Chipre o herói de quem sonha com a resistência improvável é o bater o pé e juntar ideias de forças diferentes para tentar uma escapatória ao destino.
Foi isso precisamente que foi negado a Portugal, quando, estando a Europa disposta a tentar a quadratura do círculo para evitar a troika ao nosso país, Passos Coelho, por interesses estritamente partidários, decidido a apressar a hora de “ir ao pote” (expressão sua) e reuniu uma coligação da direita da direita com a esquerda da esquerda para abrir uma crise política e tornar inevitável o “resgate”. Deve ser a isso que se referem os que falam das responsabilidades de quem nos trouxe até aqui.
Não, de repente não somos todos cipriotas. Já tivemos um momento para o sermos, mas passámos ao lado.

Sem comentários: