19/03/13

Chipre.


Chipre provocou alguns fenómenos curiosos.
Um deles é, sem dúvida, que aqueles que tanto bramam contra os bancos, como se não houvesse mal algum em que eles tombem, parecendo por vezes preferir que as autoridades públicas não se incomodem com a sua saúde, de repente se preocupem com a confiança: criticam as decisões em Chipre por elas minarem a confiança nos bancos. Excelente: perceberam de repente que os bancos têm uma função no mundo em que vivemos, porque seria muito pouco prático, com as casas pequenas, andar a reservar colchões para esconder o pecúlio. E, tal como as coisas estão, uma pequena retaguarda, sendo possível, é conveniente para não estarmos sempre à mercê da intempérie.
Outro fenómeno inédito é a extremosa preocupação com as "poupanças" dos oligarcas russos e outros "pequenos e honestos aforradores" que se abrigaram à pequena ilha, talvez pelo clima. Os grandes bandidos têm, hoje, a habilidade de se esconderem nas costas de gente comum para protegerem os seus interesses - e nós, sempre que confundimos as situações, ajudamos essa habilidade. Afinal, andamos a gritar contra os abusos da globalização financeira, do capital sem pátria e do dinheiro sujo, mas alinhamos na discordância contra qualquer acto que contrarie esses abusos.
É claro que o que se está a passar em Chipre é lamentável a todos os títulos: a soberania parece não valer nada (começam a aplicar-se decisões antes de as mesmas serem legitimadas pelo parlamento); o Eurogrupo toma decisões precipitadas e sem qualquer respeito pelas pessoas que vão sofrer as consequências (cortar em qualquer depósito) e recua em pouco tempo depois da contestação (afinal querem poupar os depósitos até cem mil euros); cria-se a ideia de que na Europa tudo pode ser feito em nome da crise e ninguém está a salvo de coisa nenhuma. Mas, ao mesmo tempo, não podemos tratar situações complexas como se elas fossem simples: o capital, quanto mais sujo mais esperto; certamente não se podia mandar uma carta aos "investidores" tubarões em Chipre a avisar que, se não se acautelassem, poderiam sofrer algumas perdas. Porque, com esse simplismo, escorados na nossa ingenuidade, são sempre os tubarões a levar a melhor. Pena é que, por vezes, o façam com o aplauso do "povo".
O mundo é complexo; fazer de conta que ele é simples não ajuda nem a compreender nem a agir.


ACRESCENTO: Aparentemente, as agências internacionais pertinentes consideram que em Chipre não há branqueamento de capitais. Sendo correcta esta informação, uma parte do que escrevi acima contém sugestões abusivas. De qualquer modo, o capital especulativo que opera a nível internacional pode fazê-lo de forma perfeitamente legal - sem deixar de ser especulativo e sem deixar de causar danos à economia real.

Sem comentários: