25/03/13

afinal, a sra. Merkel é comunista?


A senhora Merkel descobriu agora que "os bancos é que devem pagar a crise". Magnífico. Pena só ter descoberto isso depois de ter posto os bancos alemães a salvo, quando os outros fogos (designadamente o grego) começaram a arder.
Entretanto, a senhora Merkel, mais os "líderes" europeus que inventaram esta "solução" cipriota, concretizam aquela ideia de "os bancos que paguem a crise" desta maneira: metendo accionistas dos bancos, grandes "investidores" especulativos E DEPOSITANTES no mesmo saco. Sim, começaram por querer taxar toda a gente, depois deixaram os depósitos até cem mil euros de fora, mas, mesmo assim, há uma diferença entre, por um lado, um depositante com 200 ou 300 ou 400 mil euros e, por outro lado, um profissional da especulação em larga escala. Meter tudo no mesmo saco é uma espécie de "os ricos que paguem a crise" destinado a mascarar os seus verdadeiros interesses em toda esta história. Será que "afundar" a ilha faz parte do plano para "comprar" mais facilmente umas reservas de gás e petróleo que podem valer uma grossa fatia das necessidades de toda a União Europeia? Ou "afundar" a ilha é apenas uma tolice que vai fazer com que a Europa fique a ver navios quando chegar a hora de partilhar as vantagens desses recursos naturais, como se defende aqui? De qualquer dos modos, Merkel numa coisa é muito parecida com Barroso: ambos estão sempre em campanha eleitoral, pelo que cometem sistematicamente todos os erros que servem para piscar o olho ao eleitorado no momento.

1 comentário:

António Pedro Pereira disse...

Caro Porfírio:
Se é comunista (encapotada) ou não eu não sei. Mas que foi formatada naquele manicómio ao ar livre (mas pouco respirável) que foi a RDA, isso é verdade.
Se se juntar a essa formação (formatação) mental a moral puritana dos alemães temos a explicação para a forma de actuar da senhora, marcada por um a lógica um bocado «quadrada» e por um desejo punitivo sem limites.