15/02/13

receita para arrancar violentamente a farda de governante.


Alguns sentirão a sua passagem pelo governo, mesmo que seja "na cultura", como uma mazela. Fica, assim, o problema "como curar a mazela" - especialmente se dessa aventura não tiver ficado nenhum rasto digno de grande nota. Vejo agora que alguém julga ter inventado o tratamento - instantâneo - para essa maleita: escrever no próprio blogue a "ameaça" de que se mandará alguém - algum agente dessa potência do mal que é o fisco - a "ameaça" de que se mandará alguém "tomar no cu".

Pronto: o homem já não é ex-secretário de estado de Passos; agora é o "homem de cultura" que se propõe mandar não sei quem "tomar no cu".

É que já não há ** para estas palhaçadas.


*** Adenda ***

"Teoria Viegas" para uma saída pós-moderna do governo: só "quando você mandar tomar no cu pela primeira vez vai retomar as rédeas da sua vida nas suas mãos" (Cris Nicolotti).



(esta foi roubada ao Daniel Oliveira)

1 comentário:

coraçãodemaçã disse...

Porfírio, ainda não fui ler/ver o blogue fonte mas digo-lhe já aqui que estou a desejar que o 'mandador' tenha a decência de 'mandar tomar no cu'... com água, que seria a prescrição habitual. Contudo em casos difíceis e tenebrosos acho recomendável um lubrificante.

Diverti-me a debicar a sua posta.
:-))

Dri