24/02/13

Neo Rauch, a obsessão do demiurgo.


Neo Rauch, pintor alemão de Leipzig (n. 1960), vem das profundezas do "socialismo real" (abreviando, comunismo do leste europeu) para as dificuldades da democracia que há. Pinta figurativamente, pende para um certo surrealismo, olha para o mundo e vê animais nas pessoas (e, talvez, pessoas nos animais). Já pintou quadros relativamente pequenos, nos últimos anos tem pintado uma espécie de grandes murais, com cores preocupantes, misturando mitologias várias com coisas pequenas que pesam muito todos os dias. Um tipo hirto, pinta figuras que parecem evitar qualquer tipo de interacção com as outras figuras que habitam os mesmos quadros. É um artista da devastação, dos que viveram a devastação, dos que sobreviveram à devastação, dos que não excluem a devastação como horizonte.

No BOZAR, Bruxelas, acabado de abrir, até 19 de Maio próximo.


Neo Rauch, Zähmung (Domando), 2011



Neo Rauch, Die Kontrolle (O Controlo), 2010



Neo Rauch, Versprengte Einheit (Unidade Dispersa), 2010




Neo Rauch, Revo, 2010



Neo Rauch, Der Vorhang (A Cortina), 2005



Neo Rauch, Der Rückzug (A Retirada), 2006



Neo Rauch, Konspiration (Conspiração), 2004




Neo Rauch, Regel (Regra), 2000


Sem comentários: