26/01/13

o PS na oposição.




Faz-me um bocado de impressão o descaramento com que dirigentes do PSD se interessam tão de perto pela vida interna do PS. Há dias, no meio da polémica (mais inflamada do que o necessário) acerca da data do congresso dos socialistas, um dirigente da JSD apelava à substituição de Seguro, talvez para manchar com a sua companhia os que no PS são "suspeitos" de querer o mesmo. Agora é Seara a afinar pelas alfinetadas dos que gostariam que a câmara da capital fosse uma prisão para Costa.

Claro que Costa tem a sua parte de culpa nesta novela, na medida em que se encolheu no congresso passado, permitindo que agora os seus adversários internos o acusem de ter deixado a Seguro os primeiros e mais sangrentos combates para aparecer agora, quando alguns pensam que o PS está em franca recuperação (uma ilusão tão boa que parece enganar muitos).

No meio de tudo isto, para lá da rapidez com que o verniz estalou dentro do PS, com recurso aos mais estafados truques da demagogia habitual (volta a parecer que o unanimismo é que é bom, volta a aparecer quem pense que os portugueses estão interessadíssimos nos artigos e alíneas dos estatutos do partido), dando um espectáculo triste a um país que está cansado da pequena política - o que mais me espanta é outra coisa. O que mais me espanta é que, a julgar pelas declarações dos últimos dias de alguns dirigentes do PS, há pelas bandas socialistas quem se empenhe fortemente em fazer uma vigorosa oposição ao governo... de José Sócrates.

Sem comentários: