15/01/13

a ADSE e o resto.


Podemos estar de acordo ou discordar da extinção da ADSE. O que é, certamente, inaceitável é que se esteja contra ou a favor de uma ou outra das alternativas por se pensar que os funcionários públicos que beneficiam da ADSE são maioritariamente eleitores deste ou daquele partido. Os partidos não podem ser apenas espelhos passivos de certas visões presentes na sociedade: os partidos devem assumir-se como propositores de soluções que considerem melhores para o conjunto dos que precisam de ser representados. Considero ainda inaceitável que um partido da oposição deixe de dar a sua opinião sobre um assunto dessa importância por mero cálculo táctico, por contar que o seu ponto de vista não contribui para prejudicar o governo. As oposições não existem simplesmente para estar contra; os partidos devem existir para ajudar a construir soluções e, se não souberem jogar esse papel quando estão na oposição, dificilmente terão oportunidade de o jogar quando estiverem no poder.
Quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça.

3 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Aplaudo. E de pé!

pé-de-cereja disse...

Nisto como eu tudo o mais não se podem tomar posições a pensar em eleições e no que agrada a alguns eleitores. É essa atitude que leva a que "os políticos" tenham a imagem que têm!
Por outro lado as pessoas andam esquecidas que a ADSE é um seguro de saúde. E obrigatório. Quando se assina o contrato não é perguntado se se querem a ADSE ou preferem canalizar esse dinheiro para um outro seguro. É descontado logo no ordenado queira ou não queira. E pensa-se revogar unilateralmente esse seguro quando muitas gente tem uma idade em que mais nenhuma outra seguradora o vai aceitar?!

Alexandre Rosa disse...

Completamente de acordo. Acho lamentável a utilização desse argumento.