24/10/12

um suave cheiro a vasconcelos (na nossa política europeia).



Paulo Rangel, eurodeputado do PSD, fez, em artigo no Público, uma acertada crítica à (ausência de) condução da política europeia por Paulo Portas.
Esta crítica não pode ser lida apenas como uma alfinetada a Portas. Trata-se, muito mais do que isso, de mostrar que os nossos "negócios estrangeiros" estão a ser conduzidos de forma ruinosa para Portugal. Esquecemos o essencial e escondemos a cabeça na areia, para não distrair Gaspar da sua folha Excel. A política internacional deste governo está a ser conduzida de forma a envergonhar os "homens da lavoura" tão citados nas feiras de Paulo Portas. Mas não se pode dizer que o líder do CDS seja o único responsável: se Passos e Gaspar querem que a nossa política europeia seja uma política de silêncio e submissão, Portas pratica essa política escolhendo andar por outras paragens onde essa questão não seja suscitada.
Um tal Miguel de Vasconcelos seria capaz de se rever neste encolhimento dos governantes face aos senhores que mandam a partir do lado de lá da fronteira.

(excertos do artigo de Paulo Rangel neste post)

(imagem roubada ao A Terceira Noite)

Sem comentários: