16/10/12

isto é um beco?


Manifestamente, o líder do PSD candidatou-se a primeiro-ministro sem consciência do que isso exigia. Sem preparação, limitou-se a prometer tudo o que lhe parecia que o poderia alcandorar ao pote (para usar a expressão do próprio). E agora anda à nora e alguém que pague.
Não lhe querendo ficar atrás, o líder do CDS pensava que podia fazer parte do governo e da oposição ao mesmo tempo. E insiste numa receita que já conhece: já uma vez ajudou a atirar Portugal para uma crise política, que entornou definitivamente o caldo, e agora parece estar tentado a fazer o mesmo, esquecido do verdadeiro custo de andar sempre a ir a votos. Só não percebo que ainda se depositem esperanças no "patriotismo" de Portas: a única pele que conhece é a sua própria; sairá quando julgar que isso lhe rende mais.
No meio disto, seria conveniente que o Presidente da República não alimentasse ilusões, mesmo que o alimento venha do silêncio. Julgo que Cavaco Silva deveria exigir a esta maioria que limpe a casa e governe - de preferência, cumprindo o que prometeu aos portugueses. Julgo que o Presidente deveria matar pela raiz os sonhos de "governos de inspiração presidencial", deveria reclamar dos partidos da maioria o mínimo de não alimentarem mais a fogueira, deveria reclamar uma reestruturação a sério deste governo (não só nomes, também organização, com ou sem Passos Coelho) e deveria exigir que o governo governasse. E deveria fazer isso pelos meios institucionais próprios, não nas "redes sociais" - e tem meios institucionais mais claros do que "os bastidores".
Claro, muitos gostariam de "refrescar" tudo desde já. Mas não vejo que se possa avançar só por ir a votos quase todos os anos. Não podemos gastar o que não temos: o nosso sistema político já não tem as reservas de credibilidade que lhe permitam desgastar-se mais em legislaturas-fósforo (que ardem como um fósforo).

Sem comentários: