20/09/12

bodas de prata esta semana, bodas de ouro na próxima, de diamante na outra.


O governo português devia negociar melhor com a Troika, para evitar que a Troika deixe o governo português fazer todos os disparates que ele quer.
O governo português devia ter uma diplomacia mais activa dentro da União Europeia, para reforçar as tendências mais atentas ao fracasso da linha austeritária e à necessidade de agir na frente do dinamismo económico.
Devia aproveitar que o presidente da Comissão Europeia seja um português (mas não sei se ainda é vivo, porque há séculos que não se sabe nada de Barroso).
Mas não. Nada disso. Para ter qualquer coisa que negociar, o governo português negoceia consigo mesmo: PSD convida CDS a renovar apoio ao acordo de coligação (renovam o casamento, com festa de bodas de prata, ao fim de um ano; se calhar para o mês que vem já celebram as bodas de ouro; espero que ainda sobrevivam até às bodas de diamante). Para se encontrarem com alguém, mesmo que não com aqueles com quem de facto deviam conversar, os ministros e dirigentes dos partidos da maioria encontram-se uns com os outros: PSD e CDS-PP reúnem-se às 19h sem Passos e Portas.
Entretanto, para se orientarem, podiam pegar nos programas que submeteram ao eleitorado no ano passado. Sempre dava para se lembrarem do que falta cumprir. Seria talvez preferível a este PNIEC (Processo Negocial Intestino em Curso).

Sem comentários: