23/07/12

a fluidez nos professores.


Adormeceram professores e acordaram sem turmas.

Respigo do testemunho de Cecília Lourenço: "O pior é sentir que nunca mais vou ser a mesma. Pode parecer exagero. Mas é mesmo assim: eu, que não tinha medo, não voltarei a sentir-me segura. Não apenas na escola, mas no país."

Isto explica-se? Explica.
Deixo-vos uma citação, sem comentários, para reflexão:
A fluidez: tocamos aqui na essência da estabilidade das democracias-mercados. Esta fluidez só pode funcionar através de uma química social capaz de exercer uma pressão permanente, presente em toda a parte e em parte nenhuma, uma espécie de polícia obstinado em seguir cada Robinson-partícula como se fosse a sua própria sombra.
Este gendarme pacífico, silencioso, permanente e sobretudo gratuito estava ao alcance da mão: era a fome! Bastava pensar nisso... e muitos eram os conservadores que, como o Bentham do tempo da revolução industrial, se maravilhavam com o facto de a Natureza regressar a galope até ao social e se encarregar ela mesma de produzir o que era exigido à época pelo mercado de trabalho: uma grande massa submissa e embrutecida pela fome!

A citação é de Gilles Châtelet, Vivermos e Pensarmos como Porcos, Temas & Deabtes, pp. 69-70

Não anda muito longe do que escrevi aqui.

No meio disto tudo, as pequenas trapaças dos corredores são apenas epifenómenos (embora digam alguma coisa da qualidade humana de certos intervenientes).

Sem comentários: