05/06/12

o dia da libertação dos impostos.


Passo a citar João Pinto e Castro:
É fácil perceber-se a eficácia propagandística da coisa falando com os cidadãos comuns (ou mesmo com alguns não tão comuns), os quais imaginam que o grosso dos impostos serve para pagar os salários dos políticos, ou, no melhor dos casos, os dos funcionários públicos.
E que tal se a Universidade Nova passasse a assinalar também o "dia da libertação do Serviço Nacional de Saúde", o "dia da libertação da educação", o "dia da libertação dos tribunais", o "dia da libertação das infraestruturas de transportes e comunicações" e o "dia da libertação da segurança pública"? Talvez fosse mais educativo, não?
Outra ideia: registar o "dia da libertação do crédito imobiliário", o "dia da libertação do retalho alimentar" e o "dia da libertação da água, do gás e da electricidade".
Sabem onde é que o "dia da libertação dos impostos ocorre mais cedo"? É em países como o Gana, o Afeganistão e o Bangladesh. Pois.

Ainda bem que ainda há quem tenha pachorra para desmontar estes truques de demagogia fácil - os quais, objectivamente, são fraudes intelectuais e ataques terroristas à nossa vida em comum. Chegámos onde estamos por causa destas ideias simples que são erradas - e perigosas - mas se vendem com a roupagens das virgens e a "autoridade" da "ciência".

Na íntegra aqui.

Sem comentários: