01/03/12

o peso do passado.


Seca agrava-se depois de Fevereiro mais seco dos últimos 80 anos.

O antigo primeiro-ministro José Sócrates vai ser chamado a depor numa comissão parlamentar de inquérito para esclarecer o motivo pelo qual o país passou tantos meses sem chuva. Entre as questões que a maioria quer ver esclarecidas estão a falta de contributo da ciência nacional para a pluviosidade, a eventual responsabilidade das torres eólicas no espantamento das nuvens, bem como uma eventual exposição do país ao descrédito internacional que resulta de uma aproximação climatérica a desertos dominados por regimes abomináveis.

(Peço desculpa aos leitores, mas perdi o link para a agência noticiosa que deu esta notícia. Também, é o que acontece ao que é dado...)

4 comentários:

coraçãodemaçã disse...

E deve ser pela mesmíssima razão que de vez em quando, mas muito de vez em quando mesmo, dou por mim a remoer, nos escaninhos da minha moleirinha ventosa, que o nosso país é uma seca...
Mas só nos dias ímpares e noites de quarto minguante.
:-)

Dri

Porfirio Silva disse...

Juntar vento e seca no mesmo país (ou na mesma cabeça) é muito desafiante... ;-)

coraçãodemaçã disse...

Siiim, mas é o que tem acontecido realmente nos últimos tempos. Dentro e fora da minha cabeça, seca, aridez, ventos desencontrados, talvez nortadas, (sei lá eu as direcções...), uma razia.
Nem sequer faltam os camelos que, estupidamente e contra o mais básico senso comum, conduzem as caravanas desordenadas e algarviantes para o mais descampado deserto.
Parece que já nem os oásis se aguentam de pé, isto é, medram...
;-)

Dri

Porfirio Silva disse...

Credo, Dri!
Combata isso: leia um poema. Nem que seja dos meus!