09/02/12

meandros da incerteza.


«No filme, de Manoel de Oliveira, "O Princípio da Incerteza" (2002), há uma cena de casamento. Um casamento católico. Naturalmente, na cena há um actor que representa o papel de um padre, o oficiante nessa cerimónia, e outros que representam os noivos, outros ainda a assistência. Ninguém fica mais ou menos casado por ter participado como actor nessa cena. Contudo, um dos actores que representam essa cena é um padre. Mais precisamente, quem faz de padre nessa cena é realmente um padre, na vida real, fora do filme. Essa pessoa, que aí faz de padre, poderia casar aquelas pessoas noutras circunstâncias - mas do que se representa num filme não decorrem consequências desse tipo.» Concorda-se, não é? Mas a análise deste caso mostra que ele entra em conflito com certas teorias acerca da acção social.




Sem comentários: