22/12/11

prefiro viver num país governado por PPC...


... do que num país governado por esta gente: PCP contra voto de pesar por Havel.
Jerónimo de Sousa saiu do hemiciclo durante a votação. Seria para mandar escrever um voto de pesar pelo "Querido Líder"?

5 comentários:

Anónimo disse...

Pois, mas quem vendeu o controlo da EDP ao PC Chinês não foi nem quis ser o PCP, mas sim o PPC.

Você duvida que se o líder da China morresse que Passos e Cavaco enviariam o seu votozinho de condolências? Você duvida caso fosse o rei da Arábia Saudita?

João.

Porfirio Silva disse...

Não sei em que é que tudo isso justifica a rejeição do voto por Havel.
Não sei o que é que a EDP tem a ver com Havel.
E tenho tendência a não gostar de grandes molhadas, em que todos os assuntos são metidos no mesmo saco.

Anónimo disse...

A questão é que o voto de pesar por Havel significa para o PCP, a meu ver, a sanção do actual sistema de desenvolvimento económico - o PCP não vê a história como movida por biografias de homens notáveis, mas por modelos de desenvolvimento feitos de relações entre forças económicas, etc.

O voto contra do PCP deve tomar em conta as relações que os partidos que votaram a favor fazem entre Havel e o sistema actual que é o que defendem. O PCP não entrou nesse jogo de defesa indirecta do sistema actual precisamente porque lhe faz oposição.

Ou seja, nem quer propriamente dizer, como julgam, que o PCP defende para Portugal o modelo soviético (basta consultar os programas do PCP para se verificar isso) e que por isso votou contra estas condolências, o que no PCP não quer, julgo eu, e como já referi, é aprovar, pela aprovação do voto de condolências a Havel, o sistema económico vigente, o que faz sentido na medida em que é oposição a este sistema.

É verdade que isto pode chocar, que seria mais fácil para todos que o PCP se abstivesse ou aprovasse. Mas se as razões da direita não são a defesa do sistema actual por intermédio do voto de condolências a Havel mas apenas devido à defesa dos defensores da liberdade então questionemos as relações das democracias com outros ditadores, nomeadamente a Arábia Saudita e agora a China.

João.

João.

Porfirio Silva disse...

João, o que Havel irrita no PCP é o facto de Havel ter lutado pela liberdade e, naquele país em concreto, os ditadores serem os amigalhaços do PCP. O resto são desculpas de mau pagador - desculpas para as quais já não há pachorra.

Anónimo disse...

Você agora está em negação.
Sócrates foi visitar Kadafi.
Portas foi visitar Chavez.
Coelho faz negócios com a ditadura chinesa.
D. Duarte Pio elogia o ditador Sírio.

Você satisfaz-se com votos de condolências que, na prática, não impedem os votantes de se darem com ditadores.