19/07/11

faltam-me os adjectivos


Macário dá como “inevitável” introdução de portagens na Via do Infante.
Cito o quotidiano: «Depois de ter sido um feroz opositor da introdução de portagens na Via do Infante no âmbito do programa de alteração do projecto, Macário Correia afirmou hoje, em declarações à TSF, que compreende o ponto de vista do Governo e que as portagens naquela via que cruza o Algarve são “inevitáveis”.»

Diz Macário: «"Compreendemos aquilo que o Governo actual e o anterior vinham defendendo a respeito deste ponto de vista, ainda que não seja o nosso".» É curioso é que a compreensão tenha chegado em tão propícia maré.

De facto, a política não tem de ser uma porcaria. Mas pode ser, se isso fizermos dela. Fizermos, salvo seja.

4 comentários:

Jaime Santos disse...

Por definicao, o Hipocrita e aquele que e incapaz de aplicar a si proprio a mesma bitola de exigencia que aplica aos outros. De onde se compreende porque e que Disraeli, ele mesmo um Tory, disse um dia que um Governo Conservador e uma Hipocrisia Organizada. Nao que nao se encontre Hipocrisia na Esquerda Democratica, mas bolas, a Direita faz disso um Modo de Vida...

Porfirio Silva disse...

Infelizmente, não creio que os adjectivos se distribuam especialmente de acordo com as áreas políticas. No que toca às virtudes e defeitos de carácter, acho que eles não dependem de sermos de esquerda ou de direita. Há muitos muitos anos que penso assim. Continuo a não ter evidências de que a minha opinião esteja errada, mas pode ser defeito meu. Também , por outro lado, às vezes notamos mais os pecados dos amigos do que os pecadilhos dos outros.

Jaime Santos disse...

Eu não acho que seja um defeito de carácter deste ou daquele (não me referia sequer a M. Correia), mas sim é fruto da própria ideologia da Direita. Faz parte da sua maneira de pensar a ideia de que certos indivíduos gozam de uma dispensação especial em relação a certas obrigações, porque sobre eles pesa a responsabilidade de dirigirem o País (dispõem pois de prerrogativas especiais). Chamem-lhes a atenção disso, e eles acusam-nos de irresponsabilidade, de calúnia, ou de falta de estudo... Mas pode também ser que eu esteja a ignorar os pecados dos amigos (e os meus) e a reparar nos dos adversários, o que fará então de mim um bom Hipócrita de acordo com a definição ;-) ...

Porfirio Silva disse...

Eu tendo a pensar que o defeito está na própria forma de se fazer política: pessoas que até seriam estimáveis, ao aderirem a certos "estilos" sentem-se justificadas em comportamentos que, normalmente, achariam até idiotas. Até acho o Macário um tipo que pode ser decente, mas a mania de actuar conforme o vento sopra, só pode dar disparate. Será uma explicação demasiado estrutural? Se calhar...