06/07/11

entre sócrates e platão


Cavaco Silva diz "não haver mínima justificação" para corte de rating feito a Portugal.

Claro que não. Esse é precisamente o problema: como é que, na fábrica das notações, entram porcos inteiros por um lado e saem chouriços embalados do outro. Mas esse problema não é novo. Novo, para certos agentes políticos, é que já não apareça na TV alguém que pudesse ser culpado de todos os males, que tenha desaparecido de cena o bode expiatório (sim, já sabem, o tipo que ia para Paris estudar filosofia, mas que desistiu quando o informaram que Platão já tinha morrido e nunca ensinara na Sorbona).

Entretanto, há por aí quem continue a fazer de conta que isto se resolve com mais conversa da treta. Gente que esteve tempo de mais acomodada às mordomias de só ter o trabalho de dizer mal. Acho que ainda não perceberam qualquer coisa.

Europa, senhores, como se faz política na Europa? Estão à espera de Aljubarrota para deixar de pensar doméstico e pensar ao nível a que as coisas se podem resolver, hoje em dia?! Espanto-me. Sócrates praticamente não tinha "amigos socialistas" nos outros governos da UE, mas Passos está rodeado de "governos amigos" por todos os lados. Quando começa a usar isso para algum préstimo que ao País interesse?

Sem comentários: