30/06/11

coisas preocupantes - e outras nem tanto


Vai começar daqui a muito poucas horas o debate do programa de governo no parlamento. Em qualquer democracia a sério, seria um momento importante. Espero que seja. Quer dizer: que o governo explique bem ao que vem; que a oposição faça as perguntas pertinentes para perceber o que significa o que está escrito no programa e, quanto ao seu oposicionismo futuro, prometa - para cumprir - que não vai deixar de fiscalizar, mas vai ter sentido da realidade. Sentido da realidade é perceber que nem tudo o que queremos em geral, para a vida de um país, pode ser feito num dado momento.
Entretanto, estou preocupado com a saúde, com a protecção social, com a equidade no mundo do trabalho, com a eventual venda ao desbarato de activos do Estado. Não estou preocupado agora, já estava antes, quando o governo era outro e o Memorando de Entendimento era o mesmo. Entretanto, não estou nada preocupado com o facto de o PM ter sido presidente da JSD, nem com o currículo da licenciatura do PM, nem com a escola em que ele foi docente.
Quero dizer: não abordo a actual governação no mesmo espírito que a governação anterior foi abordada pelos partidos agora no governo (PSD e CDS), de mão dada que nessa altura andavam, nisso, com o PCP e o BE. Quero dizer: se os socialistas se comportarem agora como o PSD e o CDS se comportaram antes - discurso dúplice, jurando com uma mão que apoiam o esforço e, com a outra mão, fazendo uma guerrilha permanente - o "povo", essa entidade mítica, é capaz de não apreciar. E com razão: precisam os socialistas, primeiro, de se encontrar: encontrar uma via que não seja a da ortodoxia dominante na Europa. E, convenhamos, que via é essa ainda está longe de ser claro.

2 comentários:

MFerrer disse...

Mais do que de acordo. A duplicidade de comportamentos é demasiadamente ridícula e apenas propicia o regresso aos ataques ad hominem que dizíamos destestar...
Aliás vamos ser sérios? Quais os cursos de D. Jõao II, de Afonso de Albuquerque, do Gama e de tantos outros, de Lula da Silva? de Samora Machel, de Giap? da Madre Teresa? até Papas eram semi analfabetos e não foi por isso que a Igreja não enricou!

António P. disse...

Bom dia Porfírio,
Partilho as mesmas preocupações e esperanças de que o PS saiba desempenhar um papel que dignifique o debate no Parlamento. No fim de contas vivemos num regime parlamentar.
Que há qualidade na bancada do PS para que isso aconteça não tenho dúvidas.
Haverá que encontrar o registo certo nesta fase eleitoral interna ao PS.
E depois que tenham uma linha coerente com as opções que tomarem internamente.
Abraço