10/05/11

candidato a primeiro-ministro, que descaramento

Tenho visto que há por aí pessoas escandalizadas com o facto de Paulo Portas se considerar, ou ser considerado, candidato a primeiro-ministro. Parece que há quem julgue atrevimento. Claro, não há candidatos ao lugar de primeiro-ministro numas eleições legislativas, formalmente. Mas não será por isso que alguns se escandalizam: nesse caso teriam também de escandalizar-se por haver um candidato a presidente do parlamento. Parece que o escândalo vem de se achar que Portas é um atrevido, querendo "mudar de posição no pódio". Estou muito, muito longe politicamente de Paulo Portas. Parece-me, contudo, que nada há de mais legítimo do que um partido reivindicar que merece mais do que outro, seu concorrente, os votos de um certo eleitorado. Se não é para isso, para que servem as eleições?

Sem comentários: