24/03/11

produtores de crises de categoria global


A crise portuguesa agrava a crise europeia, como notam vários órgãos da imprensa estrangeira. Portugal pede solidariedade à Europa e, em troca, agrava-lhe as dificuldades. Isso faria parte do plano de Passos Coelho, vingar-se das instituições europeias que poderiam evitar-nos um governo do FMI, assim dificultando a coligação PSD+FMI?

(imagem surripiada ao Miguel)

6 comentários:

Anónimo disse...

Traduzido o título: "A demissão em Portugal...". Imputa a culpa a quem se demitiu. Ninguém despediu o PM.
Isto só por esclarecimento, porque nem concordo com a tese de que a crise política agrave o desastre económico financeiro e social (tese PS, que aliás as agências de rating têm negado); nem com a tese PSD de que "eles" serão capazes de fazer melhor. Como lhe disse várias vezes Porfírio, para quem está de fora dos partidos, a distinção entre socialismo com D ou sem D é muito ténue. Portugal não tem um partido "de direita", liberal de mercado e conservador social. Mas isso o WSJ não se deu ao trabalho de saber...
Luís, s.j.

Porfirio Silva disse...

"Luis", escrever "Ninguém despediu o PM" ultrapassa os limites da má-fé.

Porfirio Silva disse...

Ainda em tempo, "Luis": a imprensa internacional também é controlada pelo Sócrates, tal como a Manuela Moura Guedes, a SIC, o Público e o resto, não é? E depois mentiroso é o outro. Haja pachorra.

Anónimo disse...

Não, a imprensa internacional pode simplesmente ter um título que não corresponder à tradução: a má fé é subjectiva neste caso - ninguém o despediu, ele fez depender a permanência no lugar da aprovação de certas orientações. Se eu fizer depender a minha permanência no meu emprego de um aumento salarial e não me derem, posso dizer que me despediram?

Porfirio Silva disse...

Anónimo, qual tradução? Eu cá não dei tradução nenhuma. Se há anónimos que dão traduções e depois outro anónimos (ou o mesmo) discutem a tradução, isso não é comigo.
A comparação da demissão do PM com o auto-despedimento por não aumento salarial - é uma comparação que mostra bem a "qualidade" do argumento de quem a faz. Deixo aos leitores a apreciação do calibre.

coraçãodemaçã disse...

Olá, Porfírio.
Olhei, li, entendi e julguei. Estou consigo, sem mais comentários.
Dri