25/03/11

Os vulgares e os outros (ou "epístola aos deterministas")


Dedico este excerto de uma obra de Dostoiévski a todos aqueles que acreditam que nós somos apenas peças de uma grande máquina, peças sem liberdade, cujas "acções" são apenas movimentos dos nossos constituintes físicos, determinados inexoravelmente pela longa sequência de tudo o que aconteceu antes.

- (…) Acredito apenas na minha ideia principal, que consiste precisamente em que as pessoas, pelas leis da natureza, se dividem em geral em duas categorias: a inferior (vulgares), ou seja, por assim dizer, o material que serve unicamente para engendrar semelhantes; e os homens propriamente ditos, ou seja, as pessoas que possuem o dom ou o talento de dizer, no seu meio, uma palavra nova. (…) a primeira categoria, ou seja, o material, consta em geral de pessoas conservadoras por natureza, correctas, que vivem na obediência e gostam de ser obedientes. (…) A segunda categoria consta dos que violam a lei, que são destruidores ou têm propensão para o serem, consoante as suas capacidades. (…) A primeira categoria é sempre senhora do presente, e a segunda é a senhora do futuro.
- (...) Mas diga-me uma coisa: como se podem distinguir os vulgares dos invulgares? Têm alguns sinais de nascença?

Fiodor Dostoiévski, Crime e Castigo (1866)
Tradução portuguesa publicada pela Editorial Presença, 2002, pp. 245-246

2 comentários:

MFerrer disse...

Têm Porfírio, têm.
Uns preparam armadilhas, inventonas e lançam apelos "vem aí o lobo!", promulgam leis com que não concordam, têm um carácter ao nível da sua cultura e duma ética de pacotilha.
Os outros, os invulgares, os que são o Futuro, essees têm o péssimo hábitoi de serem vítimas dos primeiros, de se deixarem liquidar e de terem razão e uma outra rara característica: Pretendem levar com eles, até esse futuro, todos os que entenderam a mensagem.

asmodeux disse...

os invulgares são produto do ambiente

nã é genético

sã vulgares que ficam in

ou off