07/02/11

maquiavel de ceroulas


Marcelo Rebelo de Sousa considera que o Governo “está morto”
.
Citando: «Marcelo Rebelo de Sousa considera que este Governo socialista “está morto” e nas mãos do PSD. E se o PCP cumprir com a sua palavra sobre um possível apoio ao PSD numa moção de censura, diz o professor e comentador político que Passos Coelho pode decidir quando é que o executivo de Sócrates deve cair.»
Agora, lendo: MRS, como muitos PSD, não quer, de modo nenhum, que seja PPC a aproveitar a janela de oportunidade para chegar ao poder. Têm, para isso, de fechar os caminhos ao ex-líder da Jota. O primeiro caminho, Belém, está controlado: Cavaco nunca vai provocar uma crise para entregar o país a Passos Coelho, que o cavaquistão detesta. Cavaco esperará até que o PSD esteja em boas mãos. O outro caminho é uma moção de censura no Parlamento, onde o PSD precisa dos votos da esquerda da esquerda para derrubar o governo. Alertar, com antecedência, para o conluio entre a esquerda revolucionária e o PSD nesse desiderato, dificulta politicamente a tarefa: denuncia a conivência de Jerónimo com a direita, aponta a dependência do PSD face aos comunistas. Quanto mais se anunciar a materialização dessa "aliança", mais escrutinada ela será e mais custará concretizá-la. É isso que está a tentar fazer Marcelo. Ele quer mais tempo para que os "seus" façam a limpeza da casa - e para que o PS leve a cruz até ao calvário, outra conveniência táctica que PPC não pode perceber, apressado como está a tentar obstar ao sacrifício de mais um magnífico presidente do PSD.

Sem comentários: