01/02/11

em espanha, no meio da crise, um pacto social com todos


Gobierno, sindicatos y patronal cierran el gran acuerdo social contra la crisis. Prossegue o El País:
El pacto social ya es una realidad. Al filo de la medianoche, el Gobierno, los sindicatos y los empresarios han cerrado definitivamente el acuerdo que todos tocaban con los dedos desde que la semana pasada hubo fumata blanca sobre la reforma de pensiones y la negociación colectiva. Cerraban así en una reunión de seis horas un mes de reuniones maratonianas. Anoche se aunaron posturas en políticas activas de empleo y se afinaron las declaraciones que aspiran a marcar el diseño futuro de la política industrial y la energética. Tomaba cuerpo así un pacto entre Gobierno y agentes sociales, que aspira ahora a contar con el respaldo de todo el arco parlamentario. Con él, los protagonistas de esta entente quieren lanzar un mensaje de unión contra la crisis a los mercados y al exterior.
Ainda não conheço o conteúdo, ainda não se sabe se todas as partes assinarão (mas todas as partes negociaram).

A crise não pode parar a concertação social. Pelo contrário, essa concertação é mais necessária do que nunca. E não pode ser principalmente a pensar nos despedimentos, mas principalmente a pensar em mais emprego, na justa distribuição do esforço e da recompensa, em cortar no acessório e não no essencial, na equidade.
Se os espanhóis podem, nós não podemos? Ou estamos condenados aos teatros do costume, onde os que podem se acantonam nas suas trincheiras e fazem de conta que isto não é sério, onde valem mais os que berram com mais manha e não os que mais precisam?

Sem comentários: