07/12/10

europeus


José Reis Santos, no Diário Económico de hoje:
Não chega estar em São Bento, se é no ‘Berlaymont' que são tomadas as decisões em matérias de natureza económica e financeira. (...) Há que mudar o Governo europeu para instaurar um conjunto de políticas progressistas que procurem colocar não os mercados no centro da política, mas as pessoas. (...)
É neste sentido que deve ser entendida a proposta para um novo Plano Marshall para a Europa, sugerido por Poul Rasmussen, líder do PSE. Um plano que coloque na criação de novos postos de trabalho e no crescimento o principal foco de qualquer programa de recuperação económica europeia e que abandone a "irresponsável obsessão conservadora com a austeridade e com o Estado Social". Um plano que promova uma taxa financeira internacional com os proveitos desta a serem investidos na criação de emprego, que implemente um sistema de ‘Eurobonds' e que potencie uma coordenação económica europeia eficaz.
Na íntegra aqui.

Mais sobre as mencionadas resoluções do Partido Socialista Europeu aqui.

1 comentário:

MFerrer disse...

As crises têm destas coisas.
Dão um toque a reunir!
De facto, é mais do que tempo de haver integração europeia, em vez de expansão de mercado de consumidores.
Fico arrepiado sempre que ouço a tal expressão de 550M de consumidores...
Antes de o sermos, somos mesmo cidadãos com os mesmos direitos e os deveres dos mais ricos.
Os que julgam que é possível passar ao nível das nações a máxima "dos ricos generosos e dos pobres agradecidos" vão caminhar para a desagregação da UE.