07/11/10

a cruzada contra o erro


Ainda a ler o Público:
«Na sexta-feira, Passos Coelho defendeu que "não se pode permitir" que os responsáveis pelos maus resultados "andem sempre de espinha direita, como se não fosse nada com eles". E afirmou ainda: "Quem impõe tantos sacrifícios às pessoas e não cumpre merece ou não merece ser responsabilizado civil e criminalmente pelos seus actos?"»
«Para Jorge Miranda, "só os haveria" [espaço para procedimento criminal e civil contra governantes] "se houvesse casos de corrupção comprovados". E o constitucionalista da Faculdade de Direito - que é um dos pais do sistema político português, não só porque foi um dos deputados à Assembleia Constituinte responsáveis pela redacção da Constituição, como, antes disso, integrou a equipa de juristas que fez a lei eleitoral - sustenta que "a responsabilidade de um governo é política e não tem sentido que não o seja".»

Para seguir a "lógica" de Passos Coelho, Passos Coelho deveria ser responsabilizado criminalmente por ter tido uma oportunidade de afirmar o PSD como alternativa imediata de governo e, em vez disso, se ter empenhado pessoalmente em se descredibilizar a si próprio e à sua alternativa. É que matar uma alternativa de governo, coisa de que qualquer regime democrático necessita como pão para a boca, é um verdadeiro crime contra a democracia.
A lógica de Passos Coelho é a lógica do far west: é sempre útil poder passar ao grau superior de violência. Por enquanto, verbal. Chegará o dia em que proclamará "as armas que falem"?

Sem comentários: